61 9 81837389 oi.crioula@gmail.com
Alunas de nutrição entrevistam nutricionista ecológica

Alunas de nutrição entrevistam nutricionista ecológica

Entrevista concedida às alunas da disciplina de Introdução à Nutrição do curso de Nutrição do Instituto Federal do Ceará – Campus Limoeiro do Norte. Desejo contribuir com a formação da turma com minhas experiências profissionais enquanto nutricionista.

Qual a sua graduação? Quando concluiu o curso?

Sou graduada em nutrição pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, localizada no município de São Leopoldo no estado do Rio Grande do Sul. Concluí minha graduação em julho de 2015.

Se você fez pós-graduação, qual o seu último título?

Fui mestranda no Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural – PPG MADER, na Faculdade de Planaltina – Universidade de Brasília. O curso não foi concluído.

Atualmente, onde atua profissionalmente?

Atualmente sou empreendedora social com a Crioula – Curadoria Alimentar.

Qual função exerce?

Sou fundadora da empresa e desenvolvo diferentes funções na organização.

Quais as principais atividades desenvolvidas diariamente?

Não trabalho no formato convencional de ocupação profissional. Não tenho uma carga horária fixa diária de trabalho nem uma rotina fixa de atividades.

Produzo conteúdo digital então, diariamente acesso diferentes plataformas de notícia e instituições de pesquisa para me inteirar das descobertas e acontecimentos em torno dos temas que a empresa trabalha: meio ambiente, ecologia, alimentação e cultura. Além das atividades de produção de conteúdo; trabalho com marketing digital, assessoria e consultoria para restaurantes, escolas e demais instituições que querem desenvolver soluções ecológicas nos sistemas alimentares formados.

Como trabalho com Plantas Alimentícias Não Convencionais – PANC, também saio para realizar coletas pelos bairros da cidade onde estou atualmente, Porto Alegre. Cozinho, registro minhas preparações para as redes sociais. Tenho uma linha de produtos ecológicos chamada Nobis e beneficio os alimentos: molhos salgados, compotas, conservas e geleias com alimentos produzidos de forma agroecológica, orgânicas e coletadas pela cidade.

Organizo planos de aula para cursos e formações. Cozinho em restaurantes veganos. Eu faço várias coisas. Cada dia é um dia, cada semana é uma semana. Mas sempre realizo coletas pelas cidades e produzo conteúdo para a internet.

Este foi o seu primeiro emprego? Se Não, em que outros locais atuou e funções que exerceu?

Não, eu já trabalhei um bocado! kkkkk  Minha primeira experiência profissional depois de formada foi no campo da pesquisa. Atuei como auxiliar de pesquisa na Gerência Regional de Brasília da Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz Brasília no Programa de Alimentação Nutrição e Cultura. Por 3 anos contribuí nas pesquisas elaboradas pelo programa; contribuí no desenvolvimento do Observatório Brasileiro de Hábitos Alimentares – OBHA.

Já realizou/participou de algum curso, congresso, fórum, palestra na área de Nutrição? Se Sim, definir temáticas:

Sempre participei de eventos relacionados à Alimentação e Nutrição: Segurança Alimentar e Nutricional; Agroecologia; Cultura Alimentar e Sustentabilidade.

II Workshop sobre Estratégias Alimentares e de Abastecimento (II WEAA). Ocorreu em Porto Alegre em outubro de 2019 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. |https://www.ufrgs.br/weaa/

II Encontro Nacional sobre Hortaliças não Convencionais (HortPANC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Ocorreu em agosto de 2018. | http://www.fm.usp.br/fmusp/noticias/ii-hortpanc-atrai-pessoas-de-outros-estados-para-acompanhar-oficinas-de-culinaria-e-manejo-de-plantas-nao-convencionais

III Conferência Internacional Agricultura e Alimentação em uma Sociedade Urbanizada – AgrUrb. Aconteceu em setembro de 2018 em Porto Alegre na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS | http://www.ufrgs.br/ufrgs/eventos/iii-conferencia-internacional-agricultura-e-alimentacao-em-uma-sociedade-urbanizada-agurb

Você se considera realizado profissionalmente? Quanto ao nível de satisfação profissional, como se considera?

Sim, muito satisfeita!

Quais os motivos que o (a) levam a este grau de satisfação?

Trabalho com algo que têm sentidos e significados que extrapolam as fronteiras do exercício profissional, sinto-me realizada enquanto ser vivo na existência por ter a oportunidade de atuar com uma nutrição socioambiental que considera as dimensões culturais do alimento. Considero-me uma nutricionista ativista e regenerativa, pela nutrição encontro caminhos de transformar modos de vida que sejam saudáveis e adequadas para as pessoas e o planeta.

A Nutrição vem se tornando cada vez mais conhecida pela população. A que você atribui esta evolução?

Para além de pensar quanto a população conhece a nutrição, é preciso refletir como as pessoas conhecem a nutrição. O destaque desse campo de atuação ainda está bastante vinculado a dimensão biológica do nutrir. A dimensão da alimentação enquanto setor econômico e elo social do ser humano com seu habitat é uma perspectiva ainda pouco difundida na população. Nutrição estética e esportiva ainda são os perfis mais procurados nas redes sociais e a busca por um emagrecimento por um símbolo de beleza magro amplificam a audiência dessas linhas.

Percebo que as atenções sob as mudanças climáticas e seus prejuízos ambientais atualmente no mundo, leva uma parcela da população a buscar práticas saudáveis e sustentáveis para sua alimentação cotidiana.

Em suma, a internet amplificou as informações que circulam entre as pessoas e isso também incluí o setor de alimentos. A oportunidade de apresentar as diferentes possibilidade de comer e nutrir pela web, me parecem ser elementos importantes de serem estudados. Romper com o nutricionismo que cerca a formação do nutricionista é importante para que a evolução entre as pessoas seja qualitativo.

Quais os desafios desta profissão?

Penso que respondi indiretamente essa questão na anterior. Pensar nos diferentes sistemas alimentares existentes e como a nutricionista pode contribuir para promoção de saúde no território que atua é essencial. E para isso, é preciso uma formação abrangente, integrada e sistêmica. Isso pressupõem uma reformulação na formação que inclua temas como agrotóxicos; desertos alimentares; desigualdades alimentares e muitas outras temáticas que estão na dimensão do produzir e comer. Borrar as fronteiras do nutrir compreendendo que, sem biomas saudáveis; sem populações originárias e ancestrais; sem cuidado e respeito com o ambiente não há uma boa nutrição.

O que o (a) levou a escolha desta profissão?

Escolhi cursar nutrição porque queria trabalhar com combate à fome. A formação acadêmica foi o necessário para ter um título de profissional, mas os saberes e conexões que realizei para ser a profissional que sou hoje ocorreram fora do currículo da universidade. As atividades complementares, os projetos de extensão em Saúde Pública, os intercâmbios que trataram sobre inovação e setor de alimentos foi o que oportunizou que hoje eu me sinta exercendo a profissional seguindo a motivação primordial que me fez ser nutricionista.

Você possui outros objetivos/planos profissionais? O que deseja ainda?

Eu desejo obter uma fonte de renda financeira suficiente para seguir realizando as atividades que acredito serem transformadoras e disruptivas. Não é fácil enfrentar o mundo do empreendedorismo, ainda mais na temática que escolhi com negócio ecológico. Meus planos são me especializar na edição de vídeos para aperfeiçoar minhas redes sociais e fazer conteúdos cada vez mais acessíveis.

Tenho o sonho de criar um ponto de cultura alimentar onde poderei articular todas as frentes que atuo hoje em um só lugar. Plantar, colher, cozinhar, exercer a comensalidade que é um fenômeno coletivo, gentil, afetivo e muito potente para geração de vida que desdobra-se num estado de bem-estar – que é saúde no meu ponto de vista.

Que mensagem você daria a um estudante de Nutrição?

Saiam da bolha. Conversem com as pessoas. Olhem para uma cenoura vendo-a como um ser vivo que se relaciona conosco tanto quanto nós ao preparar uma salada ou bolo. Precisamos ser mais animais e menos humanos. Precisamos romper com as gaiolas que os nutrientes colocam nosso campo de saber para que ele tenha plasticidade o suficiente para acolher essa dinâmica complexa e múltipla que é a alimentar e nutrir a humanidade.

Na sua visão, quais as principais funções de um nutricionista?

Temos o privilégio de trabalhar com a fonte de vida de pessoas, sociedades. Pra mim, não há principais funções porque cada realidade exige competências e habilidades diferentes. Pra mim, os principais elementos de um nutricionista deve ser a empatia e ecologia para um mundo mais nutrido e solidário.

Edital financiará projetos de sustentabilidade em escolas no Brasil

Edital financiará projetos de sustentabilidade em escolas no Brasil

Desafio Escolas Sustentáveis abre chamada para planos de ação de escolas públicas voltados à educação para sustentabilidade

 

Elaborado por: Alessandro Abate

Com o objetivo de estimular cada vez mais a cultura do consumo consciente e da sustentabilidade dentro das escolas públicas, o Instituto Akatu lança o Desafio Escolas Sustentáveis. A iniciativa faz parte de um esforço global, coordenada pelo IGES e pela One Planet Network e financiado pelo Ministério do Meio Ambiente do Japão, que vai financiar os melhores planos de ação que promovam a educação para o consumo consciente e a sustentabilidade.

O objetivo do Desafio é que diretores, coordenadores pedagógicos, professores e alunos trabalhem juntos no desenvolvimento de planos de ação que promovam melhorias em suas escolas, tanto em aspectos físicos e estruturais como em pedagógicos, a fim de estimular a educação para um futuro mais sustentável e equilibrado.

Os planos de ação serão selecionados com base em critérios como governança da escola, mudança curricular e estrutural, participação dos alunos e da comunidade, potencial de redução de emissões de gases de efeito estufa e promoção do consumo consciente. Serão cinco vencedores, uma escola de cada região do país. Elas receberão o financiamento de R$ 30mil para os seus planos, e a escola com o melhor plano de todos receberá um financiamento adicional de R$ 75mil (total de R$ 105mil).

As inscrições vão até 15 de outubro e as escolas de ensino básico de todo o país poderão submeter seu plano de sustentabilidade por meio do hotsite https://edukatu.org.br/escolas_sustentaveis. Cada escola poderá fazer apenas uma submissão, porém com duas versões do plano: uma com custo de R$ 30mil e outra com custo de R$ 105mil, ambas planejadas para execução em no máximo de seis meses, de fevereiro a agosto de 2020.

“O Instituto Akatu tem orgulho de ser o parceiro escolhido para essa iniciativa global. O Edukatu, nossa rede de aprendizagem que visa incentivar a troca de conhecimentos e práticas sobre consumo consciente entre professores e alunos, realizará uma série de ações para divulgá-la e ajudar as escolas a preparar seus planos. Estamos ansiosos por colaborar com ideias que fomentem um ambiente escolar estimulante para debater e incorporar práticas e hábitos de um estilo de vida mais sustentável em todo o Brasil”, explica Helio Mattar, Diretor-presidente do Instituto Akatu.

A iniciativa será realizada simultaneamente em mais oito países – Namíbia, África do Sul, Uganda, Camboja, Quirguistão, Filipinas, Vietnã e Suriname – e o intercâmbio entre os participantes será incentivado. A escola brasileira que conquistar o maior financiamento indicará representantes para participarem de encontros internacionais e studytours em outros países, com o objetivo de promover a troca de experiências.

Sobre o Akatu

Criado em 15 de março de 2001 (Dia Mundial do Consumidor), o Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o consumo consciente. Tem como proposta e objetivos contribuir para a mudança de comportamento do consumidor, a partir de duas frentes de atuação: Educação e Comunicação, com o desenvolvimento de campanhas, conteúdos e metodologias, pesquisas e eventos. O Akatu também atua junto a empresas que buscam caminhos para a nova economia, ajudando a identificar oportunidades que levem a novos modelos de produção e consumo, que respeitem o ambiente e o bem-estar, sem deixar de lado a prosperidade.

Sobre o Edukatu

Projeto do Instituto Akatu, o Edukatu é a primeira rede de aprendizagem sobre os conceitos e práticas do consumo consciente e da sustentabilidade para alunos e professores do Ensino Fundamental de todo o Brasil. Desde 2013, o Edukatu já soma mais de 200 mil pessoas impactadas e comemora os mais de 30 mil alunos, 8 mil professores e 3 mil escolas cadastrados em sua base, em todo o Brasil.

 

Concurso de Cartaz do Dia Mundial da Alimentação

Concurso de Cartaz do Dia Mundial da Alimentação

A FAO está convidando crianças e adolescentes de todo o mundo, entre 5 e 19 anos para usar sua imaginação e criar um pôster que mostre sua ideia do que precisa ser feito para ofertar dietas saudáveis ​​para todos e como cada um de nós pode melhorar nossa alimentação cotidiana.

Foi desenvolvido um livro de atividades do dia que apresenta o importância de uma alimentação saudável para os povos e como a sociedade pode unir forças para promover ações que gerem uma melhor nutrição e a erradicação da fome. #zerohunger 

Os desenhos devem ser digitalizados ou fotografados para realizar a inscrição. A garotada tem até o dia 8 de novembro para preencher o formulário e se inscrever. 

Três vencedores em cada categoria de idade serão selecionados pelo nosso júri e anunciados em dezembro. Os vencedores serão promovidos pelos escritórios da FAO em todo o mundo e receberão uma sacola surpresa e um Certificado de Reconhecimento.

Quem pode participar?

O concurso é aberto a crianças e jovens entre 5 e 19 anos, que vivem em qualquer lugar do mundo. A idade a declarar no formulário de inscrição é a data da inscrição no Concurso. Os menores devem ter a permissão de seus pais ou responsáveis ​​legais para participar do Concurso.

Como posso participar?

O período de entrada terá início às 12:00 (CEST) na quarta-feira 29 de maio de 2019 e será encerrado às 12:00 (CEST) na sexta-feira, 8 de novembro de 2019.

A competição é dividida nas seguintes categorias: 5 a 8, 9 a 12, 13 a 15 e 16 a 19.

É permitido somente uma inscrição por pessoa. Várias entradas de uma pessoa resultarão em desqualificação. As inscrições para pôsteres podem ser desenhadas, pintadas ou desenhadas com canetas, lápis, giz de cera ou carvão, ou com tinta a óleo, acrílica ou aquarela, além de mídia mista. Trabalhos artísticos criados digitalmente também são permitidos. Não são permitidas fotografias.

As entradas de pôster podem ou não incluir texto. Se o texto for usado, não serão aceitas mais de 25 palavras ou 100 caracteres. Todo trabalho artístico deve ser original e não deve incluir imagens fotográficas do participante ou outras informações pessoais.

Todos os participantes são incentivados a ler sobre o tema do Dia Mundial da Alimentação no Livro de Atividades do Dia Mundial da Alimentação (material em inglês). 

Os pôsteres só podem ser enviados usando o formulário de inscrição fornecido. Todos os campos no formulário de inscrição no concurso devem ser preenchidos e após o upload do design do pôster, clique no botão ENTER. As crianças mais novas podem precisar da ajuda de um adulto para fazer sua inscrição on-line.

É recomendável trabalhar em uma folha A4 ou em uma folha de 8 ½ polegadas por 11 polegadas, para facilitar a digitalização e o upload do design do seu pôster. Se o seu pôster for maior, talvez seja necessário tirar uma foto digital do trabalho e fazer o upload do arquivo.

Somente arquivos digitais salvos como JPEG serão aceitos e as submissões devem ser feitas através do formulário on-line fornecido – por favor, não envie pôsteres físicos.

Somente os participantes selecionados serão notificados por e-mail em dezembro de 2019.

Prêmios

15 pôsteres em cada categoria (60 pôsteres) serão selecionados para a lista restrita pelo comitê de seleção em dezembro de 2019. Os candidatos selecionados receberão um certificado por essa conquista.

Três designs de pôsteres vencedores serão selecionados como finalistas por um júri em cada categoria.

Os três principais designs de pôsteres em todas as categorias serão anunciados no site do Dia Mundial da Alimentação.

Os vencedores serão promovidos nas mídias sociais da FAO e pelos escritórios da FAO em todo o mundo.

Os vencedores também receberão um certificado de reconhecimento e uma sacola surpresa.

Caso algum dos vencedores selecionados de algum prêmio seja / não seja elegível de acordo com estas regras do concurso e / ou as Regras Gerais, Direitos Autorais e Privacidade, não possam ser rastreadas ou recusam o prêmio, o prêmio será perdido. e ficará a critério exclusivo da FAO optar por conceder o prêmio a outra inscrição qualificada.

Quando os pôsteres vencedores forem publicados, apenas o primeiro nome completo da família e o país de origem serão publicados. Nenhuma outra informação pessoal sobre os Participantes será publicada ou compartilhada.

FONTE: FAO.ORG

Uma porção de comida | lembretes culinários sobre chutney

Uma porção de comida | lembretes culinários sobre chutney

Frutas são, comumente, utilizadas no beneficiamento de alimentos em preparações doces. Geleias e compotas, por vezes, são as únicas possibilidades que pensamos quando nos deparamos com o excesso desses alimentos em casa.

Esse molho salgado abriu minha mente e paladar para encontrar novos sabores com frutas. O primeiro chutney que experimentei foi de manga. Pra mim que tenho preferência por pratos salgados a doces ou sobremesas foi uma grata aprendizagem a elaboração de chutneys no meu repertório culinário.

Uma criação indiana, chutney é um preparo a base de frutas ou legumes com muitos condimentos, pimenta e açúcar mascavo e vinagre. A palavra tem a mesma raiz que outras na língua persa que significa “uma porção de comida”. Uma porção de comida extremamente versátil que pode ser acompanhamento para petiscos ou molho para massas e recheios de pastéis ou assados. 

Com o desenvolvimento da linha de produtos ecológicos Nobis eu tenho me dado licença poética para misturar frutas e plantas alimentícias não convencionais nesse envolvente prato. Por que não utilizar mamão maduro em preparações salgadas? Não há preconceitos na minha cozinha e o mamão maduro foi base para o chutney de mamão com xique-xique (nome popular de uma espécie de cacto comestível).

Em São Paulo, simplesmente não encontrei mamão para refazer minha invenção. Também não encontrei nenhum lugar que pudesse coletar o cacto… Estaria minha produção perdida? Claro que não! A fruta mais barata que encontrei no mercado próximo a casa da minha amiga Alessandra (fundadora da Herbívora) foi o abacaxi. A ora-pro-nobis foi a companheira panc da vez para o novo preparo: chutney de abacaxi com ora-pro-nobis

Ao chegar em Porto Alegre, encontrei frutos de ora-pro-nobis e não muitas folhas. Quem está em abundância pela capital gaúcha é a bertalha linda que super ornou com o abacaxi que segue como fruta da estação nas regiões sul e sudeste.  

Hoje realizei uma oficina de preparações culinárias com no grupo de mulheres para geração de trabalho e renda na Aldeia da Fraternidade. Fizemos duas possibilidades de chutneys com mamão e abacaxi. Como essas são as últimas lembranças que tenho da receita, compartilharei os lembretes culinários para elaboração dessas preparações.

Lembretes culinários são memórias das etapas e ingredientes combinados para o desenvolvimento de qualquer receita. Eu não gosto de usar receita, tampouco gosto de passar receitas. Não porque eu seja egoistinha (aushuahush), mas porque eu mesma não sigo receita alguma ou anoto as quantidades certinhas de cada ingrediente nas comidas que faço. É o que eu chamo de culinária intuitiva, tenho vídeo falando sobre isso no canal amor do PorQueNão? – Mídia Interdependente. Chega de tagarelar, vamos aos lembretes culinários dos chutneys.

____________________________________________

Chutney de mamão com xique-xique

INGREDIENTES

1 mamão madura

5 ou 6 ‘mãos’ da palma

sal a gosto

suco de 1 limão

azeite de oliva

cebola roxa

alho

quantidade de água

pimenta do reino a gosto

páprica doce

PREPARAÇÃO

1. Descasque o mamão e o cacto

2. Corte em cubos pequenos

3. Aqueça uma panela com o azeite de oliva

4. Refogue os cubos de mamão e do xique-xique acrescentando os temperos

5. Acrescente água e tampe. Deixe ferver por alguns minutos, acrescente mais água

6. Acrescente o suco de limão

7. Envase 

DICAS

Você pode utilizar chimichurri como um dos temperos complementares nesta preparação

Utilize luvas para descascar o cacto, seus espinhos são bem pequenos e chatos de serem retirados da mão

Não se preocupe com a “baba” que surgirá na preparação, o cacto tem bastante viscosidade 

Não tenha pressa em apagar o fogo, quanto mais tempo ferver, mais os sabores se harmonizam

Chutney de abacaxi com bertalha

INGREDIENTES

1 abacaxi grande

bertalha

sal a gosto

suco de 1 limão 

azeite de oliva

cebola roxa

alho

quantidade de água 

pimenta do reino a gosto

açafrão

pimentão amarelo  

PREPARAÇÃO

1. Descasque o abacaxi

2. Corte em cubos pequenos

3. Corte a bertalha em tiras

4. Aqueça uma panela com azeite de oliva

5. Refogue a cebola roxa cortada em cubos pequenos, acrescente o alho e meio pimentão amarelo também cortado em cubos pequenos; acrescente a bertalha cortada em tiras

6. Acrescente o abacaxi cortado, refogue

7. Acrescente água e tampe. Deixe ferver por alguns minutos, acrescente mais água se necessário

7. Acrescente o suco de limão

8. Envase 

DICAS

Quanto mais maduro estiver o abacaxi melhor

Eu deixo ferver bastante mesmo. O bom são os pedacinhos se desmancharem em meio as borbulhas na panela

Você pode utilizar açafrão como tempero complementar dessa preparação

Fomes do Brasil: expressões sociais de uma doença global

Fomes do Brasil: expressões sociais de uma doença global

Bruna de Oliveira | 22 de julho de 2019

A declaração presidencial na última sexta feira, 20 de julho, é chocante mas não surpreendente. “Não se vê gente, mesmo pobre, pelas ruas, com físico esquelético”, foi uma das afirmações de Bolsonaro em café da manhã com jornalistas. Não é uma surpresa o despreparo teórico e prático da atual gestão federal brasileira. Também, não é surpresa a ignorância de representações políticas sobre desigualdades sociais, especialmente na área da alimentação. Exemplo disso, foi a declaração do prefeito de São Paulo em 2017 que pessoas pobres não possuem hábitos alimentares.

| Leia também: Pobres têm hábitos alimentares? |

O título desse texto é uma afirmação e uma provocação. Existem mais formas de manifestação da fome do que o senso comum nos ensina. Assim como, fome não se restringe a falta de acesso de alimentos em corpos esqueléticos perambulando pelas ruas. Mais uma vez, o senso comum (e preconceituoso) se coloca como empecilho para avanços em políticas públicas de alimentação e nutrição na garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada – DHAA. 

Esta é uma tese que eu defendo com firmeza: todo mundo passa fome no mundo. Não é preciosismo ou discurso populista a diferenciação das diversas fomes que pintam cenas alimentares dos povos no mundo. Você já pensou sobre isso?

Se afirmamos que a maioria das pessoas no globo passam fome hoje, você acreditaria? Por um lado você pode concordar, pensando que fome é sinônimo de apetite e/ou vontade de comer, todo mundo tem fome todos os dias. Este é um tipo de fome, é definido como fome aguda. Ok, até aí, tudo certo. Quando estamos com fome, abrimos a geladeira de casa ou vamos à uma padaria e saciamos nossa vontade.

Precisamos lembrar que não são todas as pessoas que possuem recursos para adquirir seu alimento. Nesse sentido, se uma pessoa fica com fome por muito tempo e/ou não sacia em quantidade suficiente seu apetite e necessidades biológicas de manutenção da vida, essa fome é chamada crônica. Existe ainda uma terceira hipótese com duas situações: eu tenho algum recurso para comprar comida, mas não o suficiente para consumir várias opções, ou; eu tenho recursos para comprar a comida que eu quiser e opto por consumir alimentos que não tomem muito do pouco tempo de uma rotina agitada e estressante em uma metrópole.

Essas duas histórias contam com um elemento em comum: uma alimentação não adequada. Hábitos alimentares monótonos e/ou em quantidade insuficiente para suprir necessidades nutricionais de uma pessoa gera o que estudiosos chamam de fome oculta. As fomes oculta e crônica são estados nutricionais que se desdobram tanto por um viés da desnutrição, quanto pode se expressar em subnutrição ou obesidade.

Três fotografias de um mesmo fenômeno, três fotografias que retratam as fomes do mundo. Quem dera que as lutas de combate à fome ocorresse apenas no âmbito da fome aguda! Assim, entramos em um “diálogo perigoso” como diria Josué de Castro, médico profeta que teve a ousadia de marcar a sociedade com seus estudos sobre fome no Brasil. Há 72 anos, em sua obra Geografia da fome, Josué demonstrou a influência dos fatores socioeconômicos sobre os fatores biológicos da nossa população, através da deficiência alimentar e da predominância de interesses privados sob os coletivos.  

A fome não se limita a uma enfermidade biológica, mas sim é uma doença social fruto da má distribuição de alimentos no globo; do sistema agroalimentar super mecanizado e dependente de agroquímicos, e; de uma indústria alimentícia preocupada no excessivo consumo de seus produtos, muitas vezes, não saudáveis. Em suma, a fome é um desdobramento social da forma como a cadeia de produção de alimentos opera hoje, embasada nos princípios do capitalismo corporativista, sistema político econômico que consome nossos dias.

É importante ressaltar que ambos os quadros (obesidade e desnutrição) são graves e evocam múltiplos olhares para o planejamento e execução de estratégias que em uma primeira instância os reduzam e – em melhores perspectivas – efetivem sua devida erradicação. Esse adoecimento generalizado é gerado em decorrência de inúmeros fatores, tais como o processamento de alimentos pela indústria alimentícia, o uso excessivo e descontrolável de agrotóxicos na agricultura e as monoculturas que massificam e monotonizam a alimentação das pessoas.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO – Food and Agriculture Organization) estima que cerca de 820 milhões de pessoas em todo o mundo não tiveram acesso suficiente a alimentos em 2018, frente a 811 milhões no ano anterior, no terceiro ano consecutivo de aumento (versão em inglês). Especialmente na América Latina e no Caribe, estima-se que a fome afeta 42,5 milhões de pessoas

Queda livre

Em 2014, o Brasil saiu do mapa da fome segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO – Food and Agriculture Organization). Isso significa que menos de 5% da população brasileira ainda encontraram-se com seu direito ainda violado. Você pode entender como políticas públicas como o Programa de Aquisição de Alimentos – PAA; Política Nacional de Alimentação Escolar – PNAN; e, o fortalecimento do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA desde sua retomada em 2003 e posterior extinção neste ano. Acesse aqui o relatório que descreve as iniciativas brasileiras para combate à fome consideradas relevantes e replicáveis para outros países. Isso não é pouca coisa, ta okey? 

Lamentavelmente, em 2018, retornamos a esse diagrama que apresenta o prognóstico não positivo para a Segurança Alimentar e Nutricional deste paí. 5,2 milhões de brasileiros e brasileiras não tem o que comer todos os dias segundo este relatório.   

| Leia também: ‘Sem merenda: quando férias escolares significam fome no Brasil’ – BBC |

Preciso pegar um fôlego para continuar… são tantos elementos que explicitam a imensidão de direitos violados não somente de acesso à alimentos, mas em diferentes elos do sistema alimentar atual suprimidos pela avalanche da bancada ruralista e os defensores do agronegócio brasileiro.

Em 200 dias, o governo Bolsonaro autorizou o uso de mais de 239 agrotóxicos no mercado, isso é mais do que países europeus autorizaram ao longo de 8 anos. Há muitas pesquisas que apresentam os difíceis enredos enfrentados por agricultores familiares, trabalhadores rurais, povos e comunidades tradicionais. Depois do Dossiê Abrasco, a publicação mais recente que denunciam o impacto dos agrotóxicos no país é o Atlas Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia, de autoria da pesquisadora Larissa Lambardi. Os agrotóxicos fazem parte de um pacote tecnológico que mata diariamente, seja no campo, seja na cidade; seja a fome que for: pela falta ou pela contaminação; pela escassez ou pelo excesso artificial que passa deixando resíduos no organismo humano e planetário.

Todos passamos fome. Tão drástica quanto a inanição biológica é a cabeça vazia de uma consciência comunitária mínima que abre margem para práticas tão perversas este governo tem feito a este país. 

 

ALIMENTAÇÃO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: SAIBA COMO COMPRAR, COZINHAR E COMER EM UM MUNDO EM AQUECIMENTO GLOBAL

ALIMENTAÇÃO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: SAIBA COMO COMPRAR, COZINHAR E COMER EM UM MUNDO EM AQUECIMENTO GLOBAL

Traduzido por: Kellen Vieira

Este texto é uma tradução da matéria “Your Questions About Food and Climate Change, Answered” publicada no The New York Times em abril de 2019. Acesse a matéria original aqui. A publicação deste texto tem o objetivo de levantar o debate quanto a relação de como nossas práticas alimentares impactam o ambiente e as mudanças climáticas. As opiniões, em sua totalidade, não representam as opiniões da Crioula – Curadoria Alimentar. As afirmações e opiniões são de responsabilidade da equipe autora da matéria.

Uma grande fotografia sobre comida e mudanças climáticas

Tudo o que comemos colabora para as mudanças climáticas no planeta? Sim! O sistema alimentar global é responsável por, aproximadamente, um quarto dos problemas ambientais, incluindo a liberação de gases do efeito estufa que os humanos produzem a cada ano. Isso tudo, considerando a pecuária e a agricultura. Então, todas as plantas, animais e/ou seus derivados que consumimos (carne, frango, peixe, leite, lentilha, milho, entre outros), assim como as etapas desta cadeia: cultivo, processamento, armazenamento e transporte de alimentos aos mercados, em todo o mundo, fazem parte dessa cadeia. Se você come comida, você faz parte desse sistema.

Existem, pelo menos, 4 grandes exemplos de como nossa alimentação cotidiana contribui para o aquecimento global:

  1. Quando florestas são derrubadas para dar espaço para fazendas agropecuárias – e isso acontece diariamente em algumas partes do mundo – grandes quantidades de gases de carbono são lançados na atmosfera, e adoecem o planeta; 
  2. Quando vacas, ovelhas e cabras digerem seus alimentos, elas liberam metano, outro potente gás do efeito estufa que contribui para as mudanças climáticas; 
  3. Produção de alimento para animais e arrozais também são grandes fontes de liberação de metano. E finalmente,
  4. os combustíveis fósseis que são usados para operar o maquinário das fazendas. Eles que fazem a fertilização e distribuem o alimento pelo globo,e  cada um deles emite gases.

Os alimentos que geram maior impacto ambiental já foram identificados: carnes e laticínios, particularmente os das vacas, têm um maior impacto. O gado libera uma quantia de cerca de 14.5% dos gases de efeito estufa mundial a cada ano. Isso é mais ou menos equivalente à  emissão vinda de carros, caminhões, aviões e navios juntos, no mundo, atualmente.

Em geral, carne bovina e de ovelha tem o maior impacto climático por grama de proteína, enquanto plantas, se comparadas ao mesmo nível de proteínas de origem animal, tendem a ter um menor impacto. Porco e frango estão em limiar intermediário plantas e carne bovina. Um grande estudo publicado ano passado no periódico Science calcula a média de gases do efeito estufa emitido por diferentes comidas. 

Agora, isso são apenas médias. As carnes produzidas nos Estados Unidos produzem menos emissões do que a carne do Brasil ou da Argentina. Certamente queijos podem ter um maior impacto na emissão de gases do efeito estufa do que a carne de ovelha. E alguns especialistas pensam que esses números podem subestimar o impacto da degradação florestal associada à plantações e criações.

Mas a maioria dos estudos concordam com essa hierarquia: Uma alimentação baseada em plantas, geralmente, tem um menor impacto do que com consumo de carnes. E a carne de boi e ovelha são as piores, de acordo com  uma considerável parcela de estudiosos.

Existe alguma escolha alimentar simples que eu possa fazer para reduzir nosso impacto no clima? Consumindo menos carne vermelha e laticínios iremos, automaticamente, gerar um grande impacto para maioria das pessoas em países ricos. Isso não significa necessariamente virar vegano. Só precisamos consumir menos os alimentos que têm maior impacto ambiental, como carne de boi, de ovelha e queijo. Se procurarmos por substitutos: porco, frango, ovos e moluscos, geraremos menos impacto. Mas, certamente, uma alimentação com base vegetal – por plantas como feijões, lentilhas e soja -, tendem a ser mais “amigas do clima” do que as demais opções.

O quanto mudar nossa alimentação é algo que varia de pessoa para pessoa? Alguns estudos têm concluído que pessoas que normalmente tem uma “dieta pesada” – incluindo a maior parte da população dos Estados Unidos e Europa –. Poderíamos diminuir o impacto ambiental alimentar se um terço ou mais da população adotasse uma dieta vegetariana. Se abríssememos mão de laticínios a redução seria ainda maior. 

Mas se não quisermos ir tão longe, ainda há maneiras de diminuir nosso impacto individual. Basta comermos menos carne e laticínios e mais plantas, isso pode reduzir as emissões de gases do efeito estufa. Cortando a carne vermelha, em particular, poderíamos produzir uma surpreendente diferença: de acordo com a análise da World Resources Institute (Instituto de Recursos Mundiais), se em média os americanos substituíssem um terço da carne de gado que comem por porco, pato (ave de capoeira) ou legumes, iriam diminuir em torno de 13% a emissão relacionada à alimentação..

No entanto, precisamos manter em mente que consumo alimentar de uma pessoa, é apenas uma pequena fração do impacto ambiental em um todo, ainda tem: dirigir, voar e a energia elétrica para se considerar. Mas mudanças na dieta são frequentemente uma das formas mais rápidas para muitas pessoas modificarem seus impactos no planeta.

Calma! Cada um de nós é apenas uma pessoa. É verdade que uma única pessoa pode fazer uma minúscula modificação no panorama global do problema climático do planeta. Esso é um grande problema que requer ações de larga escala e políticas públicas de mudanças locais. Os alimentos não são o maior contribuinte para o aquecimento global: a maioria é causada por queima de combustíveis fósseis para eletricidade, transportes e indústrias. Por outro lado, se muitas pessoas, coletivamente, fizerem alterações nas suas dietas, poderíamos começar alguma mudança real.

Cientistas têm alertado que nós precisaremos diminuir o impacto climático da agricultura em até dez anos se nós quisermos o aquecimento global “sob controle”, principalmente com o crescimento populacional global. Para isso acontecer, agricultores e criadores vão precisar encontrar meios para diminuir seus impactos e se tornar muito mais eficientes, plantando mais comida em menos terra, a fim de diminuir o desmatamentode florestas. No entanto, especialistas s também têm argumentado que se aqueles que comem carnes “mais pesadas” (boi e ovelha) diminuírem comendo essas ditas “mais leves”, moderadamente, ajudariam a liberar mais terras para alimentar outras pessoas.

Vamos olhar esse cenário em profundidade? Abaixo estão descritas questões emblemáticas sobre algumas categorias alimentares: carnes; peixes e frutos do mar; leites e derivados; plantas; consumo e desperdício alimentar. 

CARNE

Por que a carne tem um grande impacto climático?

Pense sobre essa perspectiva: É mais eficiente plantar para humanos comerem, do que plantar para animais comerem e esses animais servirem de alimento para humanos. Um estudo recente da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) conclui que, em média, é preciso 1,4Kg de plantas para produzir 0.45 gramas de carne.

Isso ao pé a história inteira. Na defesa de vacas, frangos, porcos, eles se alimentam de muitas coisas que humanos, por outro lado, não comem, como gramíneas ou resíduos de plantações. E a carne pode ser rica em nutrientes essenciais como ferro e proteína, mas em geral, demanda mais terra, energia e água para produzir 0.45 gramas de proteína animal do que a mesma quantidade de proteína de origem vegetal..

Carne de boi e ovelha , em especial, provocam um grande impacto ambiental por outra razão: Os estômagos dos bois e ovelhas contém uma bactéria que auxiliam na digestão de grama e outros alimentos. Contudo,essa bactéria cria metano, um potente gás do efeito estufa, e esse gás é liberado através das flatulências.

Tem problema nas formas como as vacas são criadas?

Sim. Vários gados nos Estados Unidos são criados em pastos que não deveriam ser usados de outras maneiras, mas em países como Brasil e Bolívia, países que são os maiores em exportação de carne, a história é outra. Tem, milhares de acres de florestas que foram queimadas para criar mais espaço para a criação de gado.

Estudos têm apontado que, como um resultado, a carne do Brasil pode ter 10 vezes mais impacto climático do que a carne dos Estados Unidos. Mesmo dentro dos Estados Unidos, pode haver uma variação significante no impacto climático das criações de gado, dependendo de fatores climáticos locais e dos métodos de criação do gado. Infelizmente, para esse tipo de informação ser usada pelos consumidores, necessitaríamos de muito mais detalhes dessa pesquisa do que existe hoje.

E sobre a técnica “grass fed”?

Nos Estados unidos, a maioria das criações passam o primeiro ano em pastagens se alimentando de gramíneas Depois disso, são movidos para um criadouro para uma fase de engorda à base de rações. Em contraste o “grass-fed” ou “grass-fininshed” o gado continua pastando por toda sua vida até o momento do abate.

Alguns cientistas afirmam que a carne “grass-fininshed” pode ser uma opção mais sustentável: Com uma criação no pasto, se tem estímulos para que a grama cresça com raízes mais profundas e que sequestrem mais carbono dentro do solo, ajudando a diminuir o impacto climático do gado. Contudo, por outro lado, com a criação por “grass-fininshed”, o animal cresce mais devagar e, consequentemente, demora mais tempo para o abate. Isso significa que o gado libera, por mais tempo, metano na atmosfera. Nesse contexto, alguns estudantes sugerem que o “grass-fed” pode ser ainda pior para o clima, no entanto, apesar de tudo, esse debate ainda está em voga..

Por enquanto é difícil dizer com certeza se a técnica “grass-fininshed” é menos prejudicial às mudanças climáticas do que a criação convencional de carne.

E os frangos?

Alguns estudos têm apontado que frangos e outras aves geram um menor impacto climático do que outras criações animais. Nos dias atuais, frangos são criados de forma extremamente eficiente, no que diz respeito à conversão da alimentação em carne.. Isso não significa que frangos são perfeitos: A escala industrial de produção de aves continua a gerar poluição e têm provocado um grande debate sobre o bem-estar animal. Entretanto, se você está unicamente focado nas mudanças climáticas, aves geralmente produzem bem menos emissões de gases do que gado e ovelhas, e um pouco menos do que suínos.

Os humanos deveriam parar de comer carne de uma vez por todas?

Não necessariamente. Alguns especialistas argumentam que uma dieta sustentável continua incluindo plantas e animais. Vacas e outras criações, apesar de tudo, podem ser criadas em pastos impróprios para cultivo de plantas, considerando que o gado se alimenta de espécies de plantas não são utilizadas para o nosso consumo. Eles produzem esterco que pode ser utilizado como fertilizante. E a criação animal provê o sustento de 1,3 bilhões de pessoas pelo mundo. Em vários países, carne, ovo e leite são fontes vitais de nutrição quando não há boas alternativas disponíveis.

Por consequência existem também milhões de pessoas pelo mundo – em lugares como Estados Unidos, Europa e Austrália – que habitualmente consomem mais carne do que necessitam para uma dieta saudável, de acordo com uma reportagem recente na revista científica de medicina “The Lancet”. E se nós queremos alimentar uma população crescente, sem aumentar o aquecimento global ou aumentar a degradação de florestas, seria necessário, e faria diferença, se diminuíssemos o consumo de carnes como as de gado e ovelha.

E sobre a carne falsa?

Algumas plantas podem ser substitutas da carne, como os produtos da “Impossible Meat” e da “Beyond Meat”, que são cada vez mais presentes em supermercados e também em redes de fast foods. Feitos a partir de vegetais, amidos, óleos e proteínas sintéticas, esses produtos são uma tentativa de imitar o gosto e textura da carne, mais do que os substitutos tradicionais como tofu e seitan.

O julgamento sobre o impacto desses produtos na saúde humana ainda está em aberto, e eles aparentam ter um menor impacto: um estudo recente estima que a Beyond Meat tem apenas um décimo de impacto climático do hambúrguer de carne bovina.

No futuro, pesquisadores estarão aptos para desenvolver carne real a partir de culturas celulares animais. – O trabalho é desenvolvido por esse princípio. Mas ainda é muito cedo para dizer quão isso ajudará a diminuir os impactos climáticos, até porque a produção da cultura celular da carne demandará muita energia.

Há outras formas da carne poder ser menos prejudicial para o clima?

Sim. Se a produção de carne global for mais eficiente, produtores e criadores estarão aptos a alimentar mais pessoas enquanto reduzem a emissão de gases.

Isso já ocorre em países como os Estados Unidos. Por exemplo, o país produz mais carne hoje do que em 1975, mesmo considerando que os números totais de criações tenham caído um terço. Avanços genéticos dos animais, da medicina veterinária, na qualidade da alimentação dos animais e na interação animal com o meio ambiente já estão auxiliando a diminuição no impacto climático dos sistemas de criação animal no planeta, e ainda há muitas possibilidades de inovação. Alguns cientistas estão tentando compreender como fazer vacas produzirem menos metano com a introdução de algas marinhas e outros alimentos aditivados na alimentação bovina.

A partir do pressuposto que a população inteira não irá aderir a dieta vegetariana em um tempo breve, esses esforços irão ajudar a fazer um impacto mais sustentável da produção de carne.

Frutos do mar

Quais tipos de frutos do mar eu poderia comer?

Em geral a pesca tem um impacto climático relativamente pequeno,, sendo o maior impacto causado na queima de combustíveis dos barcos. Uma análise recente aponta que peixes de pesca que são mais populares – anchovas, sardinhas, arenque, atum e bacalhau – geram, em média, menos emissão de carbono do que frango ou porco. Moluscos, como ostras e vieiras, também são alternativas que emitem pouco carbono.

Vale observar que o camarão e a lagosta produzem mais carbono do que porcos ou frangos, pois pescá-los demanda maior gasto de combustível dos barcos.

Existe uma grande questão sobre toda a comida marinha, pois:  atualmente, o mundo já explorou o máximo possível – a maioria dos pescadores pescam da forma mais sustentável permitida, enquanto outros não. Então, esse não é um incentivador para o mundo consumir mais carne de peixe. Por enquanto você pode pesquisar estudos como Seafood Watch para verificar se o peixe que você consome é sustentável.

Os frutos do mar de cativeiro são uma boa alternativa a longo prazo?

Se nós formos comer mais frutos do mar nas próximas décadas, geraremos um aumento nas produções de frutos do mar em cativeiro, também chamada de piscicultura. Fazendas de peixes podem ser uma boa opção sem impactos climáticos, particularmente a produção de moluscos, mas não é uma constante. Esse fator frequentemente depende das práticas de criação e da localidade.

Em lugares como a Noruega, que possuem regulações de direito ambiental justas, fazendas piscicultoras tem baixo impacto climático. No entanto, em partes do sul da Ásia, produtores estão destruindo manguezais para produzir frutos do mar em cativeiro que produzem grandes emissões de gases do efeito estufa.. E algumas psiculturas na China produzem enormes quantidades de metano. Há muitas promessas de esforços para aprimorar as criações de peixes e fazer o processo produzir menos impactos, todavia ainda há um longo caminho a percorrer.

Como eu sei se determinada fazenda de piscicultura é boa ou má para o clima?

Existem vários grupos como o “Aquaculture Stewardship” e “Friend of the Sea” que certificam criadouros que aderem à práticas inovadoras para diminuírem seus impactos ambientais. O que pode ser um bom ponto de partida. Mas temos que ter cuidado: Há críticas apontando que esses métodos ainda não são ideais e tampouco nulos em relação aos impactos climáticos causados pelas técnicas de piscicultura. 

Um estudo recente aponta alguns tópicos gerais sobre fazendas de piscicultura: Fazendas de moluscos tendem a ser a opção com mais proteína e menos emissão de gases. Esse estudo também sugere que a criação de salmão tem, em comparação, um menor impacto do que o frango ou porco. Por outro lado, as fazendas de bagre e camarão requerem mais energia para a circulação da água, o que impacta muito mais no clima do que a carne bovina. Mas há muita variação de criadouro para criadouro.

Então qual a melhor opção que eu posso fazer dentre os frutos do mar?

Você pode incorporar mais moluscos na sua dieta. A maioria dos norte-americanos não comem isso em casa, mas moluscos e familiares são suculentos e mais fáceis de cozinhar do que você poderia imaginar.

Seja criado em cativeiro ou não, os peixes podem fornecer uma boa alternativa para um consumo com menor impacto climático. Todavia, vale lembrar que é importante pesquisar a origem do produto e verificar se este é certificado como sustentável.

Laticínios

Quanto o leite e queijo impactam mudanças climáticas?

Vários estudos indicam que o leite gera menos impacto ambiental que o frango, ovos e porco por grama de proteína. Iogurte, queijo cottage e cream cheese são similares ao leite.

No entanto, vários outros tipos de queijo, como cheddar ou mozzarella, podem ter um maior impacto climático do que frango ou porco, pois normalmente se utiliza 4,5 Kg de leite para fazer 0,45 gramas de queijo.

Pera aí, queijo pode ser pior que frango?

Isso vai depender do queijo. Mas genericamente falando, sim, se você decidir ser vegetariano e comer queijo ao invés de frango, seus impactos nas mudanças climáticas serão menores do que você espera.

Tem algum tipo de leite que é melhor do que os outros? Eu pago muito caro por leite orgânico.

A resposta rápida é: você não pode considerar o leite orgânico como sendo melhor para diminuir impacto climático.

Nos Estados unidos, esse termo “orgânico” no  leite, só significa que as vacas pastaram apenas 30% do seu tempo de vida, que não foram tratadas nem com hormônios ou com antibióticos, e ainda que se alimentaram de nutrientes sem fertilizantes sintéticos ou agrotóxicos. Apesar desse fato ser reconhecido por várias pessoas, não há reconhecimento de que uma criação orgânica cause menos danos ao clima em relação a uma fazenda convencional.

Em arquivos e estudos não há uma concordância se as fazendas de produção de laticínio orgânicas produzem mais, menos ou a mesma quantia de gases do efeito estufa do que as fazendas convencionais, por galão de leite. Esse fato vai alternar de fazenda para fazenda. O problema é que não há nada sobre a produção orgânica que nos aponte para uma especificidade sobre o impacto climático do produto de leite que você está adquirindo.

Quais alternativas de leite de origem não animal é a melhor?

Leite de amêndoa, aveia e soja produzem uma menos gás do efeito estufa do que o leite de vaca. Mas, como tudo, há ressalvas e exceções a serem consideradas. Amêndoa requer muita água para crescer, o que pode ser um problema em regiões mais secas. Leite de soja tende a ser menos impactante, no entanto a soja, por sua vez, contribui para uma grande indústria latifundiária.

Plantas

Então vocês afirmam que eu deveria adotar uma dieta vegana?

Se você estiver interessado em tomar a decisão de adotar a dieta vegana, ela causa um impacto climático menor.

Eu não gosto de comida vegana. O que eu poderia comer?

Se você gosta de macarrão com molho de tomate, homus, torrada de abacate ou pasta de amendoim com geleia, você, na verdade, gosta de algumas comidas veganas. Para algumas pessoas, é difícil de conceber a adoção der uma dieta inteiramente vegana. Há também a alegação de que, na dieta vegana, é necessário adotar substitutos para a carne como o tofu, mas isso não é verdade: existem muitas proteínas no feijão, grãos e avelãs. E quanto mais as pessoas se tornarem vegetarianas, versões de alimentos como sorvetes, manteigas e hambúrgueres vegetais serão aprimoradas para a comercialização.. Para aqueles que gostam de cozinhar em casa, o desafio seria produzir uma comida vegana para que todos na mesa comam.

Eu não acho que eu consigo ser completamente vegano. O que mais eu posso tentar?

Uma alternativa é diminuir o consumo de carne e laticínios e aumentar os de proteína vegetal como feijão, legumes, leguminosas e grãos.

Você pode se tornar vegetariano e cortar as carnes: gado, ovelha, frango, porco e peixes. A vantagem aqui é que as regras são simples e há várias alternativas vegetarianas em mercados e restaurantes.

Adicionar apenas frutos do mar em uma dieta vegetariana também pode ser um bom compromisso e uma boa maneira de adicionar proteínas na sua refeição.

Para manter alguma comida convencional na sua dieta, tentar substituir a carne vermelha por frango, porco, peixe ou plantas, é a alternativa mais flexível.Todavia, significa que você terá de realizar uma mudança gradual e continuar verificação de origem dos alimentos que você consome.

A produção orgânica é realmente melhor do que a produção convencional?

A produção orgânica não utiliza fertilizantes sintéticos nem agrotóxicos, o que muitos consideram essencial. No entanto, isso não significa necessariamente que a produção é melhor de uma perspectiva climática. Na verdade pode ser um pouco pior – fazendas orgânicas demandam mais terras do que fazendas convencionais. O que significa que fazendas orgânicas podem variar o impacto de lugar para lugar, e o selo orgânico não dá uma informação precisa sobre a emissão de carbono daquela produção.

Eu devo me preocupar se o produto está de acordo com o clima local e sazonal?

Em geral, o que você come importa mais do que de onde o produto vem, desde que o transporte impacte apenas 6% no impacto climático total do que você está comendo. Então, há algumas considerações a serem feitas.

Aldo que está na época de colheita Quando os alimentos são sazonais, e ,você compra diretamente do produtor ou no mercado, geralmente é uma boa escolha.

As coisas são mais complicadas se estão fora da época de consumo. Algumas frutas e vegetais são transportadas por avião que tem um violento impacto nas emissões de carbono. No inverno isso inclui aspargo e mirtilo – e outros produtos perecíveis em geral produtos perecíveis que precisam ser transportados rapidamente por grandes distâncias. Por outro lado, maçãs, laranjas e bananas, podem ser transportadas por navios, que são menos impactantes. Muitos dos vegetais que são de locais de clima frio, como batatas e cenouras, podem ser estocadas depois da colheita de outono e se conservarem durante o inverno.

Em alguns casos, isso pode ser uma vantagem para comidas que são transportadas para outros locais. Por exemplo, se você vive no norte dos Estados Unidos, pode ser melhor comprar tomates vindos da Califórnia ou Flórida, do que comprar uma variedade local que foi produzida com o uso intensivo de energia em uma estufa.

Compra e desperdício de alimento

O desperdício de comida é uma grande parte dos problemas climáticos?

Sim. Há algumas estimativas de que os norte-americanos descartam pelo menos 20% de toda comida que compram. Isso significa que toda energia usada para a produção desses alimentos também é desperdiçada. E, se você compra mais comida do que consome, seu impacto climático é maior que a média. Portanto, minimizar desperdícios pode ser uma boa estratégia para diminuir emissões de gases do efeito estufa.

Como eu posso reduzir meu desperdício de alimentos?

Existem diversas possibilidades. Se você cozinha, comece planejando a refeição: nos finais de semana, separe 20 minutos para planejar três jantares para a semana. Assim você irá comprar apenas os alimentos que você planeja cozinhar. O mesmo se aplica se você vai comer fora de casa: Não peça mais do que irá consumir. Além disso, você também pode cortar e lavar os produtos antes de guardar, para torná-los mais eficientes na hora de usar. Esteja ciente do que você armazena na geladeira para não deixar nada estragar.

Também vale lembrar que alimentos “vencidos” não significam que são inadequados para o consumo.. Geralmente essa data é uma sugestão de garantia da permanência da qualidade. Muitos alimentos (com exceção de leites e papinhas de bebê) podem ser consumidos de forma segura após essa data.

Eu deveria ter uma composteira?

Se você tem condições de tê-la, não é uma má ideia. Quando a comida é jogada em aterros sanitários com outros tipos de lixos, ela se decompõe e libera metano na atmosfera, um dos gases que causam aquecimento global. Nesse sentido, várias cidades já adotam um sistema de captura do metano, reciclando para gerar energia, mas esse fato não se aplica à maioria..

Quando a decomposição é feita da maneira correta, o material orgânico descartado é convertido em composto que ajuda no crescimento de outras plantas e a produção de metano é significativamente reduzida. Algumas cidades, como Nova Iorque, iniciaram programas de coleta seletiva. Também da iniciativa de constituir composteira caseira.

Eu deveria usar sacolas plásticas ou de papel?

Aparentemente as sacolas de papel são um pouco menos piores, numa perspectiva de emissão de gases, se comparado as sacolas plásticas. Além disso, as sacolas plásticas não são facilmente recicladas e demoram muito mais tempo para se decompor. Mas em geral sacolas ocupam 5% da emissão global relacionada à comida. O que você come é um problema muito maior do que a embalagem do produto.

Nesse sentido, é uma ideia muito boa reutilizar sacolas que você já tem ou comprar sacolas reutilizáveis (contanto que você as mantenha e as utilize frequentemente). Você também pode minimizar o uso de embalagens plásticas quando escolhe o produto. Plásticos como garrafas de refrigerantes ou leite, são mais difíceis de evitar, em contrapartida essas podem ser facilmente recicladas.

A reciclagem realmente faz alguma diferença?

A reciclagem pode ajudar, mas não é tão efetiva quanto a redução de consumo num primeiro momento. Reciclar alumínio, plástico e papel pode reduzir energia e gases emissores, no entanto, se certifique de quee você está separando o lixo devidamente; siga essas dicas para ter certeza se os recicláveis da sua casa não estão sendo encaminhados para o aterro sanitário.

Por que não há explicações nos mercados ou embalagens de alimento sobre o impacto climático dos alimentos?

Alguns experts argumentam a obrigatoriedade de rótulos ambientais em produtos alimentares, assim como tem dados nutricionais. Teoricamente, esses rótulos ajudariam consumidores interessados em consumir produtos com menor impacto e proporcionaria aos produtores um maior incentivo para diminuir seus impactos ambientais e climáticos.

Um estudo recente do jornal “The Science” sugere que, aparentemente,produtos quesão similares podem ter grandes diferenças nos impactos climáticos, dependendo dos processos de produção. Por exemplo,  comer uma barra de chocolate pode ter o mesmo impacto ambiental que dirigir um carro por 30 milhas – se florestas foram devastadas para o crescimento do cacau –, enquanto outra barra pode ter bem menos impacto ambiental. Entretanto, não há mais detalhes do que já temos hoje, e é bem difícil para o consumidor saber a diferença.

Isso significa que uma pesquisa detalhada sobre os impactos do produto requer muito mais monitoramento e cálculos sobre as emissões de gases. Somente dessa forma poderemos aprofundar ainda mais os esforços para implantar um sistema capaz de sanar essas necessidades. Por enquanto, mais consumidores irão seguir regras gerais e dicas desse artigo.

Informações complementares

  • A agricultura moderna inevitavelmente contribui para as mudanças climáticas, todavia algumas comidas têm maior impacto que outras. Carne de boi, ovelha e queijo são os que causam mais impacto. Porco, frango e ovos estão no meio. Plantas de todos os tipos tem o menor impacto.
  • O que você come importa muito mais do que se é local, orgânico ou o tipo de embalagem utilizada no produto ou para levá-lo para sua casa.
  • Você não tem que desistir de comer carne completamente para fazer diferença. Mesmo pequenas coisas como comer menos carne e mais plantas, ou substituindo carne vermelha por branca, pode reduzir o impacto climático do que você consome.
  • Uma maneira simples de diminuir seu impacto na emissão de gases através da comida é evitar o desperdícios. Comprando apenas o que você realmente irá consumir – em vez de descartar – significa que a energia usada para produzir seu alimento será usada de modo eficiente.