Plantas Alimentícias Não Convencionais | Dicas de ouro da Bru!

Você já parou para pensar que existe comida para além dos espaços onde as compramos? Você sabia que comemos menos de 1% das 30 mil possibilidades alimentares que temos pelo mundo? Onde estão os outros 99% de alimentos no mundo? Então, elas estão pelas ruas, praças e ruelas das cidades disfarçadas de mato ou nas hortas e espaços de produção agrícolas intituladas erva daninha ou inço. Há muito o que conhecer, atualmente um conceito muito trabalhado tem sido o das Plantas Alimentícias Não Convencionais, as PANC!

PANC é um termo usado para categorizar muitos tipos de plantas e suas respectivas partes com alguma funcionalidade alimentar para o ser humano. Serralha, beldroega, trapoeraba, picão branco, mangará, dente de leão, caruru, celósia, espinafre indiano, malvavisco, ora pro nóbis são exemplos desses recursos alimentares que abrem um universo de possibilidade para diferentes sabores na nossa alimentação.

As Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) estão ganhando a boca do povo! Dos lugares mais inusitados, estão aparecendo em programas de televisão, revistas de grande circulação, textos em sites e blogs e vlogs como o que está no canal do PQN?! Eu já escrevi um texto fazendo um resumão sobre elas. Hoje eu quero compartilhar algumas dicas práticas para você se sentir mais seguro na hora de reconhecer, coletar ou plantar e cozinhar essas lindas! =)

Dica 1 | Não tenha medo de nomes científicos

Para saber se uma planta é alimentícia ou não você precisa investir tempo estudando as características de folhas, frutos, flores, sementes, caule. Memorizar não somente os nomes populares como também seu nome científico é importante para não confundir espécies que podem ser parecidas mas não iguais. Existem gêneros ou famílias de plantas que possuem espécies comestíveis e outras tóxicas, é sempre bom estar seguro para reconhecer um planta para consumir. Uma mesma planta pode ter vários nomes populares, ou, um nome popular pode servir para mais de uma planta. Um exemplo é a Major Gomes, esse é um nome popular (também é chamada de Maria Gorda ou Beldroegão ou Cariru ou Bênção de Deus….) para pelo menos 2 espécies diferentes, a Talinum paniculatum e a Talinum triangulare.

 

Talinum triangulare

Talinum triangulare

Talinum paniculatum

Talinum paniculatum

 

No início você pode ficar inseguro em reconhecê-las, mas isso diminui com o tempo e, acredite, nossa mente tem a capacidade de armazenar muitas informações. Desbrave as possibilidades em aprender mais sobre botânica e taxonomia (os amigos e amigas biólogos agradecem!).

Quer links legais para saber como estudar as estruturas das PANC e seus nomes científicos?

Dica 2 | Onde posso encontrar?

Já existem muitas feiras agroecológicas onde agricultores e agricultoras familiares comercializam esses alimentos. Também têm horta comunitárias onde elas são cultivadas ou nascem espontaneamente por animais polinizadores. Essas são boas formas de conhecer plantas novas sem os riscos de identificar errado ou coletar em lugar insalubre (com a presença de cocô ou xixi alheios, microrganismos de esgoto ou excesso de poluição dos carros em grandes vias).

  • Você pode saber se existe uma feira perto de você no Mapa de Feiras Orgânicas produzido pelo IDEC. =)
  • Existe um mapa colaborativo que você pode identificar o local e a PANC que você encontrou para outras pessoas, o nome desse aplicativo é Ka’a-eté. Só fazer o cadastro, já tem vários “pins” indicando lugares em que queridezas sinalizaram a existência dessas plantas.

Dica 3 | Na dúvida não coma!

Não coma nada que você não tenha certeza que é comestível! Meu pai fala que tudo é comestível uma vez na vida pelo menos. Brincadeiras a parte, existem plantas tóxicas que precisamos evitar ingerir obviamente, como também, existem aquelas que precisam passar por algum procedimento prévio de preparo para serem consumidas. Isso não é um privilégio PANC, lembremos de alimentos “comuns” como o feijão que deixamos de molho e precisamos cozinhar por muito tempo ou do espinafre que recomenda-se consumir sempre refogado ou cozido. Por isso que a dica 1 é tão importante!

Dica 4 | Na dúvida, cozinhe!

Se você sabe que algo é comestível mas nunca comeu, prefira consumir em pouca quantidade e depois de refogar, fritar, cozinhar de maneira geral. Ninguém sabe algo que possa ter no alimento que nos causa alguma reação. Parcimônia e paciência nos ajudam a comer cada vez mais alimentos novos com segurança e tranquilidade.

Quer fazer receitas com PANC?

  • O livro Mais que Receitas é uma publicação do projeto Ideias Na Mesa e tem uma sessão dedicada às PANC;
  • Tem um achado antigão de receitas PANC nesse link aqui.

Posso dar um conselho? D-E-S-B-R-A-V-E! Se você tem medo de reconhecer as PANC sozinho, junte um grupo de amigos e caminhe por aí. Se você não quer coletar em lugares públicos porque tem medo de contaminação, vá às feiras e converse com agricultores e agricultoras para eles e elas te ajudarem. Se você tem medo de se queimar ou fazer algum processo errado na corrida, corra para a casa da avó e relembre com ela as receitas que ela fazia e/ou ainda faz mas poucas pessoas apreciam. Você não precisa ser refém das gôndolas do supermercado, você não precisa consumir apenas o que está envolvido numa embalagem plástica colorida. Existe comida em todo o lugar, basta alinharmos nosso olhar com a bela diversidade da natureza!

Eu sou suspeita para falar porque sou apaixonada por essa temática. Falar em agrobiodiversidade é falar numa imensidão de possibilidade, é falar de emancipação humana e é falar sobre respeito a natureza que somos nós. Esse não será o último texto que escrever sobre isso e você também pode acompanhar meus experimentos culinários pelo meu perfil no Instagram ou pela página do projeto que faço parte chamado ReFazenda. É sempre um prazer compartilhar saberes e sabores por aí, espero que essas dicas ajudem na sua aproximação nesse assunto que é muito amor! <3

Para saber mais acesse aqui.

Texto escrito para o site do PorQueNão? – Mídia Interdependente