ALIMENTAÇÃO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: SAIBA COMO COMPRAR, COZINHAR E COMER EM UM MUNDO EM AQUECIMENTO GLOBAL

ALIMENTAÇÃO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: SAIBA COMO COMPRAR, COZINHAR E COMER EM UM MUNDO EM AQUECIMENTO GLOBAL

Traduzido por: Kellen Vieira

Este texto é uma tradução da matéria “Your Questions About Food and Climate Change, Answered” publicada no The New York Times em abril de 2019. Acesse a matéria original aqui. A publicação deste texto tem o objetivo de levantar o debate quanto a relação de como nossas práticas alimentares impactam o ambiente e as mudanças climáticas. As opiniões, em sua totalidade, não representam as opiniões da Crioula – Curadoria Alimentar. As afirmações e opiniões são de responsabilidade da equipe autora da matéria.

Uma grande fotografia sobre comida e mudanças climáticas

Tudo o que comemos colabora para as mudanças climáticas no planeta? Sim! O sistema alimentar global é responsável por, aproximadamente, um quarto dos problemas ambientais, incluindo a liberação de gases do efeito estufa que os humanos produzem a cada ano. Isso tudo, considerando a pecuária e a agricultura. Então, todas as plantas, animais e/ou seus derivados que consumimos (carne, frango, peixe, leite, lentilha, milho, entre outros), assim como as etapas desta cadeia: cultivo, processamento, armazenamento e transporte de alimentos aos mercados, em todo o mundo, fazem parte dessa cadeia. Se você come comida, você faz parte desse sistema.

Existem, pelo menos, 4 grandes exemplos de como nossa alimentação cotidiana contribui para o aquecimento global:

  1. Quando florestas são derrubadas para dar espaço para fazendas agropecuárias – e isso acontece diariamente em algumas partes do mundo – grandes quantidades de gases de carbono são lançados na atmosfera, e adoecem o planeta; 
  2. Quando vacas, ovelhas e cabras digerem seus alimentos, elas liberam metano, outro potente gás do efeito estufa que contribui para as mudanças climáticas; 
  3. Produção de alimento para animais e arrozais também são grandes fontes de liberação de metano. E finalmente,
  4. os combustíveis fósseis que são usados para operar o maquinário das fazendas. Eles que fazem a fertilização e distribuem o alimento pelo globo,e  cada um deles emite gases.

Os alimentos que geram maior impacto ambiental já foram identificados: carnes e laticínios, particularmente os das vacas, têm um maior impacto. O gado libera uma quantia de cerca de 14.5% dos gases de efeito estufa mundial a cada ano. Isso é mais ou menos equivalente à  emissão vinda de carros, caminhões, aviões e navios juntos, no mundo, atualmente.

Em geral, carne bovina e de ovelha tem o maior impacto climático por grama de proteína, enquanto plantas, se comparadas ao mesmo nível de proteínas de origem animal, tendem a ter um menor impacto. Porco e frango estão em limiar intermediário plantas e carne bovina. Um grande estudo publicado ano passado no periódico Science calcula a média de gases do efeito estufa emitido por diferentes comidas. 

Agora, isso são apenas médias. As carnes produzidas nos Estados Unidos produzem menos emissões do que a carne do Brasil ou da Argentina. Certamente queijos podem ter um maior impacto na emissão de gases do efeito estufa do que a carne de ovelha. E alguns especialistas pensam que esses números podem subestimar o impacto da degradação florestal associada à plantações e criações.

Mas a maioria dos estudos concordam com essa hierarquia: Uma alimentação baseada em plantas, geralmente, tem um menor impacto do que com consumo de carnes. E a carne de boi e ovelha são as piores, de acordo com  uma considerável parcela de estudiosos.

Existe alguma escolha alimentar simples que eu possa fazer para reduzir nosso impacto no clima? Consumindo menos carne vermelha e laticínios iremos, automaticamente, gerar um grande impacto para maioria das pessoas em países ricos. Isso não significa necessariamente virar vegano. Só precisamos consumir menos os alimentos que têm maior impacto ambiental, como carne de boi, de ovelha e queijo. Se procurarmos por substitutos: porco, frango, ovos e moluscos, geraremos menos impacto. Mas, certamente, uma alimentação com base vegetal – por plantas como feijões, lentilhas e soja -, tendem a ser mais “amigas do clima” do que as demais opções.

O quanto mudar nossa alimentação é algo que varia de pessoa para pessoa? Alguns estudos têm concluído que pessoas que normalmente tem uma “dieta pesada” – incluindo a maior parte da população dos Estados Unidos e Europa –. Poderíamos diminuir o impacto ambiental alimentar se um terço ou mais da população adotasse uma dieta vegetariana. Se abríssememos mão de laticínios a redução seria ainda maior. 

Mas se não quisermos ir tão longe, ainda há maneiras de diminuir nosso impacto individual. Basta comermos menos carne e laticínios e mais plantas, isso pode reduzir as emissões de gases do efeito estufa. Cortando a carne vermelha, em particular, poderíamos produzir uma surpreendente diferença: de acordo com a análise da World Resources Institute (Instituto de Recursos Mundiais), se em média os americanos substituíssem um terço da carne de gado que comem por porco, pato (ave de capoeira) ou legumes, iriam diminuir em torno de 13% a emissão relacionada à alimentação..

No entanto, precisamos manter em mente que consumo alimentar de uma pessoa, é apenas uma pequena fração do impacto ambiental em um todo, ainda tem: dirigir, voar e a energia elétrica para se considerar. Mas mudanças na dieta são frequentemente uma das formas mais rápidas para muitas pessoas modificarem seus impactos no planeta.

Calma! Cada um de nós é apenas uma pessoa. É verdade que uma única pessoa pode fazer uma minúscula modificação no panorama global do problema climático do planeta. Esso é um grande problema que requer ações de larga escala e políticas públicas de mudanças locais. Os alimentos não são o maior contribuinte para o aquecimento global: a maioria é causada por queima de combustíveis fósseis para eletricidade, transportes e indústrias. Por outro lado, se muitas pessoas, coletivamente, fizerem alterações nas suas dietas, poderíamos começar alguma mudança real.

Cientistas têm alertado que nós precisaremos diminuir o impacto climático da agricultura em até dez anos se nós quisermos o aquecimento global “sob controle”, principalmente com o crescimento populacional global. Para isso acontecer, agricultores e criadores vão precisar encontrar meios para diminuir seus impactos e se tornar muito mais eficientes, plantando mais comida em menos terra, a fim de diminuir o desmatamentode florestas. No entanto, especialistas s também têm argumentado que se aqueles que comem carnes “mais pesadas” (boi e ovelha) diminuírem comendo essas ditas “mais leves”, moderadamente, ajudariam a liberar mais terras para alimentar outras pessoas.

Vamos olhar esse cenário em profundidade? Abaixo estão descritas questões emblemáticas sobre algumas categorias alimentares: carnes; peixes e frutos do mar; leites e derivados; plantas; consumo e desperdício alimentar. 

CARNE

Por que a carne tem um grande impacto climático?

Pense sobre essa perspectiva: É mais eficiente plantar para humanos comerem, do que plantar para animais comerem e esses animais servirem de alimento para humanos. Um estudo recente da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) conclui que, em média, é preciso 1,4Kg de plantas para produzir 0.45 gramas de carne.

Isso ao pé a história inteira. Na defesa de vacas, frangos, porcos, eles se alimentam de muitas coisas que humanos, por outro lado, não comem, como gramíneas ou resíduos de plantações. E a carne pode ser rica em nutrientes essenciais como ferro e proteína, mas em geral, demanda mais terra, energia e água para produzir 0.45 gramas de proteína animal do que a mesma quantidade de proteína de origem vegetal..

Carne de boi e ovelha , em especial, provocam um grande impacto ambiental por outra razão: Os estômagos dos bois e ovelhas contém uma bactéria que auxiliam na digestão de grama e outros alimentos. Contudo,essa bactéria cria metano, um potente gás do efeito estufa, e esse gás é liberado através das flatulências.

Tem problema nas formas como as vacas são criadas?

Sim. Vários gados nos Estados Unidos são criados em pastos que não deveriam ser usados de outras maneiras, mas em países como Brasil e Bolívia, países que são os maiores em exportação de carne, a história é outra. Tem, milhares de acres de florestas que foram queimadas para criar mais espaço para a criação de gado.

Estudos têm apontado que, como um resultado, a carne do Brasil pode ter 10 vezes mais impacto climático do que a carne dos Estados Unidos. Mesmo dentro dos Estados Unidos, pode haver uma variação significante no impacto climático das criações de gado, dependendo de fatores climáticos locais e dos métodos de criação do gado. Infelizmente, para esse tipo de informação ser usada pelos consumidores, necessitaríamos de muito mais detalhes dessa pesquisa do que existe hoje.

E sobre a técnica “grass fed”?

Nos Estados unidos, a maioria das criações passam o primeiro ano em pastagens se alimentando de gramíneas Depois disso, são movidos para um criadouro para uma fase de engorda à base de rações. Em contraste o “grass-fed” ou “grass-fininshed” o gado continua pastando por toda sua vida até o momento do abate.

Alguns cientistas afirmam que a carne “grass-fininshed” pode ser uma opção mais sustentável: Com uma criação no pasto, se tem estímulos para que a grama cresça com raízes mais profundas e que sequestrem mais carbono dentro do solo, ajudando a diminuir o impacto climático do gado. Contudo, por outro lado, com a criação por “grass-fininshed”, o animal cresce mais devagar e, consequentemente, demora mais tempo para o abate. Isso significa que o gado libera, por mais tempo, metano na atmosfera. Nesse contexto, alguns estudantes sugerem que o “grass-fed” pode ser ainda pior para o clima, no entanto, apesar de tudo, esse debate ainda está em voga..

Por enquanto é difícil dizer com certeza se a técnica “grass-fininshed” é menos prejudicial às mudanças climáticas do que a criação convencional de carne.

E os frangos?

Alguns estudos têm apontado que frangos e outras aves geram um menor impacto climático do que outras criações animais. Nos dias atuais, frangos são criados de forma extremamente eficiente, no que diz respeito à conversão da alimentação em carne.. Isso não significa que frangos são perfeitos: A escala industrial de produção de aves continua a gerar poluição e têm provocado um grande debate sobre o bem-estar animal. Entretanto, se você está unicamente focado nas mudanças climáticas, aves geralmente produzem bem menos emissões de gases do que gado e ovelhas, e um pouco menos do que suínos.

Os humanos deveriam parar de comer carne de uma vez por todas?

Não necessariamente. Alguns especialistas argumentam que uma dieta sustentável continua incluindo plantas e animais. Vacas e outras criações, apesar de tudo, podem ser criadas em pastos impróprios para cultivo de plantas, considerando que o gado se alimenta de espécies de plantas não são utilizadas para o nosso consumo. Eles produzem esterco que pode ser utilizado como fertilizante. E a criação animal provê o sustento de 1,3 bilhões de pessoas pelo mundo. Em vários países, carne, ovo e leite são fontes vitais de nutrição quando não há boas alternativas disponíveis.

Por consequência existem também milhões de pessoas pelo mundo – em lugares como Estados Unidos, Europa e Austrália – que habitualmente consomem mais carne do que necessitam para uma dieta saudável, de acordo com uma reportagem recente na revista científica de medicina “The Lancet”. E se nós queremos alimentar uma população crescente, sem aumentar o aquecimento global ou aumentar a degradação de florestas, seria necessário, e faria diferença, se diminuíssemos o consumo de carnes como as de gado e ovelha.

E sobre a carne falsa?

Algumas plantas podem ser substitutas da carne, como os produtos da “Impossible Meat” e da “Beyond Meat”, que são cada vez mais presentes em supermercados e também em redes de fast foods. Feitos a partir de vegetais, amidos, óleos e proteínas sintéticas, esses produtos são uma tentativa de imitar o gosto e textura da carne, mais do que os substitutos tradicionais como tofu e seitan.

O julgamento sobre o impacto desses produtos na saúde humana ainda está em aberto, e eles aparentam ter um menor impacto: um estudo recente estima que a Beyond Meat tem apenas um décimo de impacto climático do hambúrguer de carne bovina.

No futuro, pesquisadores estarão aptos para desenvolver carne real a partir de culturas celulares animais. – O trabalho é desenvolvido por esse princípio. Mas ainda é muito cedo para dizer quão isso ajudará a diminuir os impactos climáticos, até porque a produção da cultura celular da carne demandará muita energia.

Há outras formas da carne poder ser menos prejudicial para o clima?

Sim. Se a produção de carne global for mais eficiente, produtores e criadores estarão aptos a alimentar mais pessoas enquanto reduzem a emissão de gases.

Isso já ocorre em países como os Estados Unidos. Por exemplo, o país produz mais carne hoje do que em 1975, mesmo considerando que os números totais de criações tenham caído um terço. Avanços genéticos dos animais, da medicina veterinária, na qualidade da alimentação dos animais e na interação animal com o meio ambiente já estão auxiliando a diminuição no impacto climático dos sistemas de criação animal no planeta, e ainda há muitas possibilidades de inovação. Alguns cientistas estão tentando compreender como fazer vacas produzirem menos metano com a introdução de algas marinhas e outros alimentos aditivados na alimentação bovina.

A partir do pressuposto que a população inteira não irá aderir a dieta vegetariana em um tempo breve, esses esforços irão ajudar a fazer um impacto mais sustentável da produção de carne.

Frutos do mar

Quais tipos de frutos do mar eu poderia comer?

Em geral a pesca tem um impacto climático relativamente pequeno,, sendo o maior impacto causado na queima de combustíveis dos barcos. Uma análise recente aponta que peixes de pesca que são mais populares – anchovas, sardinhas, arenque, atum e bacalhau – geram, em média, menos emissão de carbono do que frango ou porco. Moluscos, como ostras e vieiras, também são alternativas que emitem pouco carbono.

Vale observar que o camarão e a lagosta produzem mais carbono do que porcos ou frangos, pois pescá-los demanda maior gasto de combustível dos barcos.

Existe uma grande questão sobre toda a comida marinha, pois:  atualmente, o mundo já explorou o máximo possível – a maioria dos pescadores pescam da forma mais sustentável permitida, enquanto outros não. Então, esse não é um incentivador para o mundo consumir mais carne de peixe. Por enquanto você pode pesquisar estudos como Seafood Watch para verificar se o peixe que você consome é sustentável.

Os frutos do mar de cativeiro são uma boa alternativa a longo prazo?

Se nós formos comer mais frutos do mar nas próximas décadas, geraremos um aumento nas produções de frutos do mar em cativeiro, também chamada de piscicultura. Fazendas de peixes podem ser uma boa opção sem impactos climáticos, particularmente a produção de moluscos, mas não é uma constante. Esse fator frequentemente depende das práticas de criação e da localidade.

Em lugares como a Noruega, que possuem regulações de direito ambiental justas, fazendas piscicultoras tem baixo impacto climático. No entanto, em partes do sul da Ásia, produtores estão destruindo manguezais para produzir frutos do mar em cativeiro que produzem grandes emissões de gases do efeito estufa.. E algumas psiculturas na China produzem enormes quantidades de metano. Há muitas promessas de esforços para aprimorar as criações de peixes e fazer o processo produzir menos impactos, todavia ainda há um longo caminho a percorrer.

Como eu sei se determinada fazenda de piscicultura é boa ou má para o clima?

Existem vários grupos como o “Aquaculture Stewardship” e “Friend of the Sea” que certificam criadouros que aderem à práticas inovadoras para diminuírem seus impactos ambientais. O que pode ser um bom ponto de partida. Mas temos que ter cuidado: Há críticas apontando que esses métodos ainda não são ideais e tampouco nulos em relação aos impactos climáticos causados pelas técnicas de piscicultura. 

Um estudo recente aponta alguns tópicos gerais sobre fazendas de piscicultura: Fazendas de moluscos tendem a ser a opção com mais proteína e menos emissão de gases. Esse estudo também sugere que a criação de salmão tem, em comparação, um menor impacto do que o frango ou porco. Por outro lado, as fazendas de bagre e camarão requerem mais energia para a circulação da água, o que impacta muito mais no clima do que a carne bovina. Mas há muita variação de criadouro para criadouro.

Então qual a melhor opção que eu posso fazer dentre os frutos do mar?

Você pode incorporar mais moluscos na sua dieta. A maioria dos norte-americanos não comem isso em casa, mas moluscos e familiares são suculentos e mais fáceis de cozinhar do que você poderia imaginar.

Seja criado em cativeiro ou não, os peixes podem fornecer uma boa alternativa para um consumo com menor impacto climático. Todavia, vale lembrar que é importante pesquisar a origem do produto e verificar se este é certificado como sustentável.

Laticínios

Quanto o leite e queijo impactam mudanças climáticas?

Vários estudos indicam que o leite gera menos impacto ambiental que o frango, ovos e porco por grama de proteína. Iogurte, queijo cottage e cream cheese são similares ao leite.

No entanto, vários outros tipos de queijo, como cheddar ou mozzarella, podem ter um maior impacto climático do que frango ou porco, pois normalmente se utiliza 4,5 Kg de leite para fazer 0,45 gramas de queijo.

Pera aí, queijo pode ser pior que frango?

Isso vai depender do queijo. Mas genericamente falando, sim, se você decidir ser vegetariano e comer queijo ao invés de frango, seus impactos nas mudanças climáticas serão menores do que você espera.

Tem algum tipo de leite que é melhor do que os outros? Eu pago muito caro por leite orgânico.

A resposta rápida é: você não pode considerar o leite orgânico como sendo melhor para diminuir impacto climático.

Nos Estados unidos, esse termo “orgânico” no  leite, só significa que as vacas pastaram apenas 30% do seu tempo de vida, que não foram tratadas nem com hormônios ou com antibióticos, e ainda que se alimentaram de nutrientes sem fertilizantes sintéticos ou agrotóxicos. Apesar desse fato ser reconhecido por várias pessoas, não há reconhecimento de que uma criação orgânica cause menos danos ao clima em relação a uma fazenda convencional.

Em arquivos e estudos não há uma concordância se as fazendas de produção de laticínio orgânicas produzem mais, menos ou a mesma quantia de gases do efeito estufa do que as fazendas convencionais, por galão de leite. Esse fato vai alternar de fazenda para fazenda. O problema é que não há nada sobre a produção orgânica que nos aponte para uma especificidade sobre o impacto climático do produto de leite que você está adquirindo.

Quais alternativas de leite de origem não animal é a melhor?

Leite de amêndoa, aveia e soja produzem uma menos gás do efeito estufa do que o leite de vaca. Mas, como tudo, há ressalvas e exceções a serem consideradas. Amêndoa requer muita água para crescer, o que pode ser um problema em regiões mais secas. Leite de soja tende a ser menos impactante, no entanto a soja, por sua vez, contribui para uma grande indústria latifundiária.

Plantas

Então vocês afirmam que eu deveria adotar uma dieta vegana?

Se você estiver interessado em tomar a decisão de adotar a dieta vegana, ela causa um impacto climático menor.

Eu não gosto de comida vegana. O que eu poderia comer?

Se você gosta de macarrão com molho de tomate, homus, torrada de abacate ou pasta de amendoim com geleia, você, na verdade, gosta de algumas comidas veganas. Para algumas pessoas, é difícil de conceber a adoção der uma dieta inteiramente vegana. Há também a alegação de que, na dieta vegana, é necessário adotar substitutos para a carne como o tofu, mas isso não é verdade: existem muitas proteínas no feijão, grãos e avelãs. E quanto mais as pessoas se tornarem vegetarianas, versões de alimentos como sorvetes, manteigas e hambúrgueres vegetais serão aprimoradas para a comercialização.. Para aqueles que gostam de cozinhar em casa, o desafio seria produzir uma comida vegana para que todos na mesa comam.

Eu não acho que eu consigo ser completamente vegano. O que mais eu posso tentar?

Uma alternativa é diminuir o consumo de carne e laticínios e aumentar os de proteína vegetal como feijão, legumes, leguminosas e grãos.

Você pode se tornar vegetariano e cortar as carnes: gado, ovelha, frango, porco e peixes. A vantagem aqui é que as regras são simples e há várias alternativas vegetarianas em mercados e restaurantes.

Adicionar apenas frutos do mar em uma dieta vegetariana também pode ser um bom compromisso e uma boa maneira de adicionar proteínas na sua refeição.

Para manter alguma comida convencional na sua dieta, tentar substituir a carne vermelha por frango, porco, peixe ou plantas, é a alternativa mais flexível.Todavia, significa que você terá de realizar uma mudança gradual e continuar verificação de origem dos alimentos que você consome.

A produção orgânica é realmente melhor do que a produção convencional?

A produção orgânica não utiliza fertilizantes sintéticos nem agrotóxicos, o que muitos consideram essencial. No entanto, isso não significa necessariamente que a produção é melhor de uma perspectiva climática. Na verdade pode ser um pouco pior – fazendas orgânicas demandam mais terras do que fazendas convencionais. O que significa que fazendas orgânicas podem variar o impacto de lugar para lugar, e o selo orgânico não dá uma informação precisa sobre a emissão de carbono daquela produção.

Eu devo me preocupar se o produto está de acordo com o clima local e sazonal?

Em geral, o que você come importa mais do que de onde o produto vem, desde que o transporte impacte apenas 6% no impacto climático total do que você está comendo. Então, há algumas considerações a serem feitas.

Aldo que está na época de colheita Quando os alimentos são sazonais, e ,você compra diretamente do produtor ou no mercado, geralmente é uma boa escolha.

As coisas são mais complicadas se estão fora da época de consumo. Algumas frutas e vegetais são transportadas por avião que tem um violento impacto nas emissões de carbono. No inverno isso inclui aspargo e mirtilo – e outros produtos perecíveis em geral produtos perecíveis que precisam ser transportados rapidamente por grandes distâncias. Por outro lado, maçãs, laranjas e bananas, podem ser transportadas por navios, que são menos impactantes. Muitos dos vegetais que são de locais de clima frio, como batatas e cenouras, podem ser estocadas depois da colheita de outono e se conservarem durante o inverno.

Em alguns casos, isso pode ser uma vantagem para comidas que são transportadas para outros locais. Por exemplo, se você vive no norte dos Estados Unidos, pode ser melhor comprar tomates vindos da Califórnia ou Flórida, do que comprar uma variedade local que foi produzida com o uso intensivo de energia em uma estufa.

Compra e desperdício de alimento

O desperdício de comida é uma grande parte dos problemas climáticos?

Sim. Há algumas estimativas de que os norte-americanos descartam pelo menos 20% de toda comida que compram. Isso significa que toda energia usada para a produção desses alimentos também é desperdiçada. E, se você compra mais comida do que consome, seu impacto climático é maior que a média. Portanto, minimizar desperdícios pode ser uma boa estratégia para diminuir emissões de gases do efeito estufa.

Como eu posso reduzir meu desperdício de alimentos?

Existem diversas possibilidades. Se você cozinha, comece planejando a refeição: nos finais de semana, separe 20 minutos para planejar três jantares para a semana. Assim você irá comprar apenas os alimentos que você planeja cozinhar. O mesmo se aplica se você vai comer fora de casa: Não peça mais do que irá consumir. Além disso, você também pode cortar e lavar os produtos antes de guardar, para torná-los mais eficientes na hora de usar. Esteja ciente do que você armazena na geladeira para não deixar nada estragar.

Também vale lembrar que alimentos “vencidos” não significam que são inadequados para o consumo.. Geralmente essa data é uma sugestão de garantia da permanência da qualidade. Muitos alimentos (com exceção de leites e papinhas de bebê) podem ser consumidos de forma segura após essa data.

Eu deveria ter uma composteira?

Se você tem condições de tê-la, não é uma má ideia. Quando a comida é jogada em aterros sanitários com outros tipos de lixos, ela se decompõe e libera metano na atmosfera, um dos gases que causam aquecimento global. Nesse sentido, várias cidades já adotam um sistema de captura do metano, reciclando para gerar energia, mas esse fato não se aplica à maioria..

Quando a decomposição é feita da maneira correta, o material orgânico descartado é convertido em composto que ajuda no crescimento de outras plantas e a produção de metano é significativamente reduzida. Algumas cidades, como Nova Iorque, iniciaram programas de coleta seletiva. Também da iniciativa de constituir composteira caseira.

Eu deveria usar sacolas plásticas ou de papel?

Aparentemente as sacolas de papel são um pouco menos piores, numa perspectiva de emissão de gases, se comparado as sacolas plásticas. Além disso, as sacolas plásticas não são facilmente recicladas e demoram muito mais tempo para se decompor. Mas em geral sacolas ocupam 5% da emissão global relacionada à comida. O que você come é um problema muito maior do que a embalagem do produto.

Nesse sentido, é uma ideia muito boa reutilizar sacolas que você já tem ou comprar sacolas reutilizáveis (contanto que você as mantenha e as utilize frequentemente). Você também pode minimizar o uso de embalagens plásticas quando escolhe o produto. Plásticos como garrafas de refrigerantes ou leite, são mais difíceis de evitar, em contrapartida essas podem ser facilmente recicladas.

A reciclagem realmente faz alguma diferença?

A reciclagem pode ajudar, mas não é tão efetiva quanto a redução de consumo num primeiro momento. Reciclar alumínio, plástico e papel pode reduzir energia e gases emissores, no entanto, se certifique de quee você está separando o lixo devidamente; siga essas dicas para ter certeza se os recicláveis da sua casa não estão sendo encaminhados para o aterro sanitário.

Por que não há explicações nos mercados ou embalagens de alimento sobre o impacto climático dos alimentos?

Alguns experts argumentam a obrigatoriedade de rótulos ambientais em produtos alimentares, assim como tem dados nutricionais. Teoricamente, esses rótulos ajudariam consumidores interessados em consumir produtos com menor impacto e proporcionaria aos produtores um maior incentivo para diminuir seus impactos ambientais e climáticos.

Um estudo recente do jornal “The Science” sugere que, aparentemente,produtos quesão similares podem ter grandes diferenças nos impactos climáticos, dependendo dos processos de produção. Por exemplo,  comer uma barra de chocolate pode ter o mesmo impacto ambiental que dirigir um carro por 30 milhas – se florestas foram devastadas para o crescimento do cacau –, enquanto outra barra pode ter bem menos impacto ambiental. Entretanto, não há mais detalhes do que já temos hoje, e é bem difícil para o consumidor saber a diferença.

Isso significa que uma pesquisa detalhada sobre os impactos do produto requer muito mais monitoramento e cálculos sobre as emissões de gases. Somente dessa forma poderemos aprofundar ainda mais os esforços para implantar um sistema capaz de sanar essas necessidades. Por enquanto, mais consumidores irão seguir regras gerais e dicas desse artigo.

Informações complementares

  • A agricultura moderna inevitavelmente contribui para as mudanças climáticas, todavia algumas comidas têm maior impacto que outras. Carne de boi, ovelha e queijo são os que causam mais impacto. Porco, frango e ovos estão no meio. Plantas de todos os tipos tem o menor impacto.
  • O que você come importa muito mais do que se é local, orgânico ou o tipo de embalagem utilizada no produto ou para levá-lo para sua casa.
  • Você não tem que desistir de comer carne completamente para fazer diferença. Mesmo pequenas coisas como comer menos carne e mais plantas, ou substituindo carne vermelha por branca, pode reduzir o impacto climático do que você consome.
  • Uma maneira simples de diminuir seu impacto na emissão de gases através da comida é evitar o desperdícios. Comprando apenas o que você realmente irá consumir – em vez de descartar – significa que a energia usada para produzir seu alimento será usada de modo eficiente.

 

Banquetaço em Brasília serve mil pessoas com comida de verdade

Banquetaço em Brasília serve mil pessoas com comida de verdade

Brasília foi uma das 40 cidades em 22 estados que participaram do ato de protesto contra a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA

O ato ocorreu no dia 27 de fevereiro, com representação de 22 estados em manifestações realizadas em 40 cidades no país. No Distrito Federal, o banquetaço ocorreu em Brasília entre os prédios do CONIC e shopping Conjunto Nacional em frente a rodoviária central.

O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA é um espaço legítimo de participação popular, na construção de políticas públicas de Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional no país. Essas políticas contribuem para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável. Historicamente, este órgão congrega ativistas, representantes de movimentos sociais e/ou povos e comunidades tradicionais, organizações e entidades implicados no monitoramento, planejamento e articulação intersetorial de ações para o combate à fome e melhoria da qualidade alimentar e nutricional no Brasil, o que quer dizer: uma alimentação que seja socialmente justa, culturalmente referenciada e ambientalmente sustentável.

Tanto a sociedade civil quanto parlamentares do congresso foram o público alvo da ação que se colocou como um instrumento de sensibilização e educação sobre o tema para que tanto a população saiba requerer seu direito por uma alimentação saudável e de qualidade quanto os representantes públicos incluam nas suas pautas de gestão a Segurança Alimentar e Nutricional em suas ações.

Banquetaço Brasília | Resumo do dia

A articulação do ato ocorreu de forma virtual e presencial, o grupo de whatsapp da comissão de Brasília congregou, aproximadamente, 100 pessoas com envolvimento no tema dos mais diversos segmentos da sociedade. As reuniões preparatórias para planejamento e organização da manifestação na cidade, contou com um grupo nuclear de trabalho operando com cerca de 30 pessoas presencialmente. Organizações e entidades ligadas à agroecologia e compostagem urbana; sindicatos; alunos/as e professores/as de graduação da Universidade de Brasília; ativistas de movimentos sociais como o Slow Food Cerrado e o Bem Viver; agricultores/as e coagricultores/as das Comunidades que Sustentam a Agricultura – Rede CSA Brasília, assim como parlamentares de diferentes partidos políticos, nutricionistas, cozinheiros/cozinheiras e donos de restaurantes compuseram esta rede de cores, sabores e afetos em torno do alimento.

Uma equipe de aproximadamente 30 pessoas se envolveram nas preparações que foram distribuídas gratuitamente à população como uma forma de sensibilização sobre a importância do CONSEA para a sociedade, bem como, a relevância de considerar a origem do nosso alimento como um elemento determinante e impulsionador de processos que fortalecem diferentes cadeias de produção de alimentos. A escolha da oferta de comida de verdade produzida com alimentos agroecológicos e regionais do bioma cerrado teve a intenção de mostrar o quanto é possível garantir o acesso à alimentação adequada e saudável de forma, boa, limpa e justa. Se não conseguimos até hoje acabar com a fome no Brasil, pode-se perceber que é uma questão política de agenda de gestão.

O lema da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: “Comida de verdade, no campo e na cidade” foi evocado nas falas de diferentes representações que participaram do evento. Entende-se por comida de verdade, segundo o documento da conferência realizada em 2017:

“aquela que reconhece o protagonismo das mulheres, respeita os princípios da integralidade, universalidade e equidade. Não mata nem por veneno nem por conflito. É aquela que erradica a fome e promove alimentação saudável, conserva a natureza, promove saúde e a paz entre os povos”

Mais de mil refeições foram entregues aos passantes do local que não só puderam experimentar preparações elaboradas por diferentes voluntários e voluntárias, como também, conheceram melhor a atuação do CONSEA e conceito de comida de verdade por meio de pratos produzidos com alimentos vindos da agricultura familiar, sem agrotóxico, valorizando ingredientes regionais do bioma cerrado como o pequi e o baru. As Plantas Alimentícias Não Convencionais – PANC –, também marcaram presença nas receitas como o coração de bananeira que virou recheio para escondidinhos de mandioca e abóbora.

Cozinheiros como Paulo Mello, Tonico Lichtsztejn, Cristina Roberto apoiaram a ação coordenando as equipes das cozinhas dos restaurantes apoiadores. O laboratório de técnica dietética do curso de Nutrição da Universidade de Brasília também foi utilizado, assim como a cozinha da casa da nutricionista Bruna de Oliveira com a do-supervisão da cozinheira Talitha Ferreira foram os pontos de encontro entre práticas alimentares e técnicas gastronômicas com muito amor, implicação política e compromisso com a causa de SAN.

A participação ativa de produtores e agroextrativistas foi o cerne do ato por meio do trabalho do casal extrativista Dona Ana e Seu Zilas, integrantes do Movimento Slow Food, e, a generosidade e articulação da Rede CSA Brasília que doou a majoritária quantidade de alimentos produzidos de forma agroecológicas e sem o uso de agrotóxicos. Considerando que o conceito de de Segurança Alimentar e Nutricional abrange a cadeia de produção de alimentos da semente ao prato, o movimento de Agricultura Urbana também esteve presente com a presença do jornalista Juarez Martins, também empreendedor social do projeto Horta Linda com a distribuição de mudas de hortaliças.

Além de um ato público com representações políticas e institucionais, música, teatro e poemas compuseram o ambiente de um verdadeiro festejo popular! Cecília, artista, realizou uma performance apresentando as diferentes realidades de vida e morte contidas na forma de produção de alimentos em crítica ao sistema agroalimentar hegemônico no país, mais conhecido como agronegócio. Ainda, Martinha do Coco, cantora renomada na região, embalou o compartilhamento das comidas com muita música, alegria e resistência.

Até o momento, ainda não está definido como a Medida Provisório nº 870 tramitará no congresso nacional, contudo, espera-se que o Banquetaço Nacional sirva como gatilho para o fortalecimento das lutas por comida de verdade para todas as regiões do país. Enquanto a MP não é votada, muito ainda pode ser feito para difundir o tema da alimentação saudável e sustentável entre todos e todas neste vasto e biodiverso Brasil. A rede que se formou para realização deste ato expressa um coletivo na cidade de Brasília que pode ser importante para o tema da SAN/DHAAS no contexto político – histórico nacional.

Banquetaço DF em números

  1. Mais de 1000 refeições distribuídas gratuitamente;
  2. Aproximadamente 1 tonelada de alimentos preparados;
  3. 23 preparações elaboradas;
  4. Resíduos direcionados à compostagem urbana;
  5. 100% dos alimentos doados pela Rede CSA Brasília produzidos de forma agroecológica e sem o uso de agrotóxicos;
  6. 7 cozinhas de preparo
  7. Uma equipe de 30 cozinheiros e cozinheiras;
  8. Mais de 50 pessoas envolvidas na execução da manifestação

Restaurantes apoiadores

  • Hughub
  • Dona Lenha
  • Pinella
  • Bioon
  • Cristina Roberto Buffet
  • Buriti zen
  • Departamento de Nutrição/FS/UnB | OPSAN/UnB

Acompanhe o movimento e as repercussões deste ato nas redes sociais do coletivo Banquetaço (@banquetaco.nacional). As fotos do ato em Brasília estão disponíveis aqui. Está previsto uma reunião de avaliação do Banquetaço para definição de papéis e formulação de uma agenda de atividades no tema. Acompanhe as chamadas pelas redes sociais.

Presidência extingue CONSEA da estrutura da gestão nacional

Presidência extingue CONSEA da estrutura da gestão nacional

Entenda porquê não é bom que o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA, instância consultiva da Presidência da República ser removida dos órgãos de assessoramento imediato do governo.

A cada quatro anos, o dia primeiro de janeiro é mais do que comemorar a paz no mundo no Brasil: é o dia em que toma posse a pessoa que foi eleita como representante geral do Brasil. Este ano, não foi diferente e após o término do governo da presidenta Dilma Rousseff, sorrateiramente impeachmada pelo golpe que vivemos em 2016, assumiu este posto de gestor e representante nacional o #elenão. Neste mesmo dia, saiu a edição do Diário Oficial da União – DOU na seção 1 a Medida Provisória Nº 870 que estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios.

A princípio, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA, que até então fazia parte dos órgãos de assessoramento imediato a presidência da república, não fará mais parte desse rol de conselhos para compor a gestão do atual governo brasileiro. A extinção do conselho, parece ser mais que uma hipótese ou especulação. A LEI Nº 11.346, de setembro de 2006 (que cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada) já foi atualizada com a retirada do CONSEA da sua constituição, ou seja, legislativamente, não existe nenhum respaldo para a manutenção deste órgão que existe antes mesmo do sistema nacional e possui uma relevância estruturante na operação das políticas públicas de alimentação, nutrição, abastecimento e meio ambiente por meio da produção de alimentos no Brasil.

Esta é uma notícia alarmante compreendendo a importância do Direito Humano à Alimentação Adequada – DHAA e o conceito de Segurança Alimentar e Nutricional – SAN enquanto estratégia política que incida nas questões pertinentes à manutenção da vida humana, bem como a saúde ambiental por meio da produção, distribuição e consumo de alimentos de maneira mais sustentável e equitativa possível. Por certo, o consumo não é a última parte deste processo onde ainda podem ser integradas reflexões e proposição sobre descarte, redução e/ou tratamento de resíduos orgânicos, especialmente nos grandes centros urbano do país.

O CONSEA existia como órgão de assessoramento imediato à presidência da república desde antes da criação do SISAN em 2006. O CONSEA aparece na Medida Provisória nº 103, de janeiro de 2003 que estabeleceu a organização do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Após a criação do SISAN, descreve-se melhor as atribuições do CONSEA na lei, instituindo como suas responsabilidades:

  1. convocar a Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, com periodicidade não superior a 4 (quatro) anos, bem como definir seus parâmetros de composição, organização e funcionamento, por meio de regulamento próprio;
  2. propor ao Poder Executivo Federal, considerando as deliberações da Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, as diretrizes e prioridades da Política e do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, incluindo-se requisitos orçamentários para sua consecução;
  3. articular, acompanhar e monitorar, em regime de colaboração com os demais integrantes do Sistema, a implementação e a convergência de ações inerentes à Política e ao Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional;
  4. definir, em regime de colaboração com a Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional, os critérios e procedimentos de adesão ao SISAN;
  5. instituir mecanismos permanentes de articulação com órgãos e entidades congêneres de segurança alimentar e nutricional nos Estados, no Distrito Federal e nos Municípios, com a finalidade de promover o diálogo e a convergência das ações que integram o SISAN;
  6. mobilizar e apoiar entidades da sociedade civil na discussão e na implementação de ações públicas de segurança alimentar e nutricional;

Eu bem que tentei, mas não consegui encontrar todas as medidas provisórias de todos os governos desde então. Conduto, fica nítido que o CONSEA desenvolveu seu trabalho de forma excelente com presidentas com expertise no assunto como a Atropóloga Maria Emília, posteriormente, a Nutricionista Elisabetta Recine juntamente com uma comissão de conselheiros e conselheiras dos mais diversos segmentos sociais na defesa do DHAA e saudável procurando abarcar todas as etapas da cadeia de produção de alimentos, assim como o maior número de atores que formam os sistemas alimentares.

A título de contextualização cabe dizer que a segurança alimentar e nutricional no brasil abrange diferentes dimensões no que tange a alimentação da população. A alimentação pode é compreendida como um elemento estruturante na organização social de homens e mulheres no campo e na cidade. Também, reconhece-se que o ato de comer movimenta diferentes setores da sociedade como agronômica, de saúde humana e ambiental, educação, economia, entre outros aspectos que também merecem destaque como a conservação de culturas e modos de produção mais ecológicos e dignificantes para homens e mulheres trabalhadoras dessa imensa e complexa rede que é o sistema agroalimentar atual.

O conceito de Segurança Alimentar e Nutricional, seguindo a lei, consiste:

na realização do direito de todos (e todas) ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciai, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentável. (BRASIL, 2006).

Materializar esse conceito requer muita agenda política e máxima expressão de intersetorialidade para que as ações dessa política sejam efetivas e capilarizadas no território nacional. Particularmente, lamento imensamente essa notícia que expressa a atenção dada a esta atual gestão no que tange ao tema. Alguns Conselhos como o Nacional do Esporte e o Nacional de Cultura (com a adjetivação de especial… o que será que quer dizer esse especial) migraram para o grande Ministério da Cidadania junto das políticas nacionais de assistência e desenvolvimento social, além da política de drogas. Trouxe exemplos aleatórios para apresentar que grande mistério é esse que congrega não somente universos teórico-práticos distintos como o desafio de articular esses espaços transdisciplinares de uma forma pouco sinérgica e articulada.

Vamos acompanhar as cenas dos próximos capítulos. Estou alerta quanto ao posicionamento do, talvez, último CONSEA dos próximos 4 anos, como também, iniciar os planejamentos para ações da sociedade civil de maneira mais assertiva e intensa para concretude da garantia do direito humano à alimentação adequada. Precisamos resgatar o divino, o sagrado, o central do alimento em nosso cotidiano, não dá mais para pensar que problemas de alimentação estão presentes apenas entre as camadas menos privilegiadas da população, ou que dilemas como fome, sobrepeso e obesidade infantil, crescente incidência de suicídio entre produtores rurais ou a contaminação e mercantilização dos nossos recursos naturais, especialmente a água, não estão relacionados e revelam quão doente socialmente estamos enquanto grupamentos humanos.

Não mencionar uma instância consultiva da magnitude do CONSEA é no, no mínimo, negligência como inúmeras questões extremamente relevantes na gestão pública. Se ele não existe legalmente em nenhum lugar, como não foi extinto? Será substituído por outra instância? O SISAN permanece com qual operação sem esse agente importante na sua dinâmica de funcionamento. Se não foi extinto? Qual a proposta de transformação? Quais medidas e estratégias pensadas para que o SISAN não prossiga manco.

O CONSEA, uma instância de pluri representação: da sociedade civil, povos ancestrais e originários, famílias rurais e urbanas à organizações que trabalham com a violação do direito à alimentação e setores governamentais. Com congregava essa imensidade de saberes e conhecimentos para apoiar, impulsionar e sensibilizar a todos e todas do destaque merecido que a Segurança Alimentar e Nutricional merece na sociedade e na agenda pública.

Estou aguardando as próximas cenas desse capítulo. Lamentando os sinais que se apresentam depois de tantos avanços que estavam sendo consolidados, também, pelo trabalho do CONSEA.

REFERÊNCIAS:

Edição Especial do Diário Oficial da União, 1 de janeiro de 2019. Disponível em: <http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=01/01/2019&jornal=701&pagina=1&totalArquivos=15> Acessado: 2 jan 2019.

Medida Provisória Nº 870, de 1 de janeiro de 2019. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Mpv/mpv870.htm> Acessado: 2 jan 2019.

LEI Nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11346.htm> Acessado: 02 jan 2019.

Onde encontrar alimentos locais na cidade?

Onde encontrar alimentos locais na cidade?

O comemos muda o mundo! Saiba onde encontrar alimentos locais em diferentes cidades no Brasil.

 

Um jargão muito utilizado quando falamos de alimentação e saúde é: ”você é o que você come”, isso porque realmente a qualidade e quantidade dos alimentos que consumimos todos os dias contribui para a manutenção do nosso organismo e bem-estar. Acontece que alimentação não está restrita a essa relação biológica das nossas necessidades.

Alimentação é algo difícil de definir, ela é um processo biológico que faz a nutrição do nosso corpo; é um setor econômico que movimenta parte das relações de trabalho no mundo, como também, um fenômeno social com expressões culturais que dão identidade às refeições das sociedades. Alimentação é uma intensa marca da humanidade na natureza ao mesmo tempo que por meio dela somos marcados. Alimentação está tão arraigado no nosso dia-a-dia que esquecemos de pensar sobre esse ato.

Por isso, eu acredito que o mundo é o que comemos. Conhecer o caminho que acontece da semente ao prato é essencial para buscarmos saúde para nós mesmos e o ambiente. O consumo de alimentos locais é um ato de amor! Mesmo na cidade, nós urbanóides podemos contribuir para os impactos positivos que nosso planeta precisa e merece.

Alimentação local é aquela que utiliza alimentos que foram cultivados perto de onde moramos, e não pense que proximidade é sinônimo de restrição. Principalmente aqui no Brasil, onde todos os 5 biomas (Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Amazônia e Pampa) apresentam uma diversidade de comidas e culturas gigantesca. Cada bioma brasileiro é uma imensidão de cores, sabores e histórias de homens e mulheres que carregam essas paisagens em seus modos de vida e isso também se expressa na alimentação. Já aproveita e põe aí nos comentários a sua região e qual é o prato mais delicinha que você encontra só por aí!

No vídeo IDEIAS PARA MELHORAR O MUNDO: ALIMENTAÇÃO LOCAL, eu falo sobre os benefícios de uma alimentação local. Aqui no texto eu quero apresentar algumas iniciativas lindinhas que trabalham com alimentos da sociobiodiversidade brasileira. Conheça essas iniciativas e descubra quão perto de você podem estar esses alimentos bons, justos e limpos para quem produz e quem consome! <3

Feira do Produtor – CEASA/DF | Foto: Bruna de Oliveira

Feiras Orgânicas: as feiras agroecológicas são espaços onde muitos produtores e produtoras regionais comercializam suas colheitas e produtos beneficiados como geleias, compotas, queijos ou polpa de frutas. Aqui em Brasília existem muitas feiras nas quadras residenciais no plano piloto, tem também a CEASA-DF onde, aos sábados, tem a feira do produtor com vários stands de cooperativas de produção, assentamentos da reforma agrária, etc. Você pode conhecer feiras perto de vocês por meio de uma ferramenta chamada Mapa de Feiras Orgânicas, idealizada pelo Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, com objetivo de tornar os produtos orgânicos mais acessíveis aos consumidores e fomentar uma alimentação saudável em todo Brasil.

Empreendimentos de Economia Solidária: Eu não sei você, mas eu acredito que podemos inovar nas relações de trabalho e considero que os princípios da economia solidária estão muito alinhados às práticas comunitárias de trabalho. Existem associações, cooperativas e centrais de cooperativas empenhadas em potencializar a construção e o fortalecimento de mercados para produtos das mãos de comunidades tradicionais e campesinas.

  • Central do Cerrado: A Central do Cerrado é uma central de cooperativas sem fins lucrativos estabelecida por 35 organizações comunitárias de sete estados brasileiros que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado.
  • COPABASE: Com a missão de organizar e comercializar produtos artesanais e culturais da Região do Vale do Urucuia de maneira sustentável. A COPABASE é uma cooperativa que se dedica a agricultura familiar e a Economia Solidária, com sede em Arinos/MG no Vale do Urucuia. Sua atuação regional estende aos municípios de Arinos, Bonfinópolis de Minas, Buritis, Formoso, Pintópolis, Riachinho, Urucuia e Uruana de Minas.

Movimentos da Sociedade Civil: existem muitas pessoas se juntando para construir realidades mais ecológicas e amorosas por meio do setor de alimentos.

  • Movimento Slow Food Brasil: Esse movimento, que começou na Itália e se espraiou pelo mundo tem dado bons fruto aqui no Brasil também. Por meio do projeto Alimentos Bons, Limpos e Justos tem ajudado muito nessa rede cidadã agroalimentar, sendo um eixo conector entre quem produz e quem consome. Você sabia que no site desse movimento existem as Fortalezas e Comunidades do Alimento separadas por região? Tem sido muito legal acompanhar as atividades do Slow Food nesse projeto, uma das etapas que aconteceu foi o Seminário de Construção de Mercados para Alimentos Bons, Limpos e Justos na região Centro-Oeste, você pode saber o que rolou aqui.
  • App Responsa: O Responsa é fruto da parceria entre o Instituto Kairós e a cooperativa de trabalho EITA. Nele, você pode encontrar locais, iniciativas e grupos que adotam e fomentam práticas de responsabilidade na produção e consumo. Há iniciativas da economia solidária, grupos de consumo responsável, iniciativas de agroecologia, centrais de comercialização, pequenos produtores, cooperativas de trabalho, feiras orgânicas, restaurantes com produtos orgânicos, hortas comunitárias em todo o Brasil.

Produtores/as e consumidores/as em seminário sobre alimentação e sociobiodiversidade Slow Food. | Foto: Nzinga Bonne

Muitos desses produtos podem ser encontrados em restaurantes, empórios e lojas com princípios da sustentabilidade e agroecologia. Se você não conhece os alimentos locais da sua região, sugiro começar com o livro Alimentos Regionais Brasileiros, desenvolvido pelo Ministério da Saúde em 2015. A publicação tem o objetivo de  favorecer o conhecimento acerca das mais variadas espécies de frutas, hortaliças, leguminosas, tubérculos, cereais, ervas, entre outras, existentes no Brasil.

Uma coisa é certa, precisamos fortalecer as redes entre quem produz e quem consome, abraçando os princípios ecológicos e da economia solidária. A sociobiodiversidade alimentar brasileira é formada por mulheres e homens do campo e da cidade, preocupados com o cuidado com o meio ambiente, com todos os seres que compõem a natureza e em como essas relações se estabelecem. E não menos importante, pelo sabor dos nossos pratos!

Estamos cada vez mais conectados com o mundo inteiro e todas as coisas boas que a diversidade global pode nos oferecer. Ao mesmo tempo, estamos cada vez mais desconectados de todas as coisas boas que também existem pertinho da gente. Bora botar em prática o bom e velho “pensar globalmente, agir localmente”. Acho que um ótimo jeito de começar é através da alimentação: uma coisa que todo mundo faz, todos os dias! Comer localmente pode beneficiar o mundo inteiro.

Ah, você pode me mandar um e-mail (contato@crioula.net) contando sobre lugares legais que você sabe que poderiam estar nesta postagem. Compartilho projetos que fazem parte do meu cotidiano, é sempre bom aprender e compartilhar informações! Vamos conversar!

Texto escrito para o site do PorQueNão? – Mídia Interdependente

Pobres têm hábitos alimentares?

Pobres têm hábitos alimentares?

O projeto Alimentos para Todos, elaborado pela prefeitura de São Paulo, a partir da sanção da Lei 16.704/2017 intitulada Política Municipal de Erradicação da Fome e de Promoção da Função Social dos Alimentos tem dado o que falar. Pesquisadoras/es, professoras/es, nutricionistas e pessoas implicadas nas temáticas de alimentação, nutrição e direitos humanos tem se manifestado sobre o assunto afirmando o retrocesso que essa iniciativa representa nas lutas de combate à fome e desenvolvimento social.

Em Milão, na Itália, o prefeito defende o projeto e menciona que as pessoas contrárias a essa ação se colocam como tal por falta de conhecimento. Também, como lembrado pela vereadora paulistana Sâmia Bonfim há um episódio do programa Aprendiz com João Dória em que ele questiona um dos participantes do reality show se pobre tem hábitos alimentares. O prefeito tenta minimizar a repercussão do vídeo dizendo que é uma fala tirada de seu contexto.

Veja aqui o momento exato do episódio:

 

Eu fui atrás do programa na íntegra, você pode vê-lo aqui. Após assistir o episódio é possível perceber que, não somente o contexto de sua fala é o mesmo: trabalhar com pessoas em situação de rua e/ou em condições vulneráveis socioeconômicas; como sua ação em relação a essa situação não se modificou. Tanto os questionamentos se pessoas pobres possuem hábitos alimentares, quanto a defesa de um programa como o Alimentos para Todos revelam o distanciamento do João e seus apoiadores do que significa hábitos alimentares e todas as conquistas alcançadas pelos movimentos sociais ligados às questões do direito humano à alimentação adequada.

Se o Dória estivesse perguntando para mim: “Bruna, você acha que pobres têm hábitos alimentares?”, prontamente eu responderia: “SIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!”.

Primeiro, porque não podemos confundir hábitos com situação que ocorre com frequência ou rotina. Eu sei, parece que estamos falando da mesma coisa, mas não estamos. Genericamente, existe essa compreensão de que um hábito é uma coisa que acontece na nossa rotina e é uma coisa que acontece com frequência. Logo, se eu sou pobre, moro na rua e não tenho acesso a alimentos eu não tenho hábitos alimentares. Isso é um raciocínio lógico, porém incoerente e insuficiente para pensar as questões de justiça social e políticas públicas.

Pensar em hábitos vai para além de pensar frequência. Pierre Bourdieu foi um sociólogo francês que estudou a fundo sobre o conceito de habitus (sim, é com u mesmo). O que é e/ou como se forma um hábito? Para o autor, habitus é o que vincula uma pessoa ao espaço social que ela integra. Habitus é um elo entre uma estrutura estruturada e uma estrutura estruturante. Eu não vou aqui entrar em explicações muito profundas sobre isso porque não sou socióloga, sou uma nutricionista interessada em olhar para a sociedade com lentes que apoiem minhas compreensões. Se escrevo sobre essas aprendizagens e formas pessoais de entender a vida e situações como essa da ração humana é porque acredito que podemos conversar e entender as relações sociais de uma forma fraterna e leve, uma conversa.

Assim, para entender o conceito de habitus precisamos nos aproximar de mais dois conceitos: estrutura estruturada e estrutura estruturante. Bourdieu apresenta como estrutura estruturada as convenções, crenças, regras, dogmas e todo um sistema de comportamento que moldam a sociedade desde antes do nosso nascimento. Nós já nascemos em relações sociais pré estabelecidas. Escolas, faculdades, quartéis, igrejas, organizações sociais, empresas, academias… tudo isso pode ser considerado como estruturas estruturadas.

Uma estrutura estruturante seríamos nós enquanto integrantes destas estruturas sociais que para nos sentirmos pertencente a um lugar reproduzimos, fortalecemos e dessa modo que seguimos consolidando essas estruturas. Dessa forma, quando a gente fala de hábitos alimentares estamos falando das práticas que integram a alimentação de grupamentos humanos. Estamos falando de fluxos que vão da produção ao desperdício, da terra ao prato e, posteriormente, ao lixo. Refletir sobre hábitos alimentares a luz desse autor nos permite ampliar nosso olhar para as estruturas sociais que dão base para construção desses hábitos alimentares.

Não existe pessoa dentro de uma sociedade que não possua hábitos alimentares, nós possuímos hábitos alimentares e estamos inseridos na sociedade de diversas formas. Podemos estar inseridos na média da população, podemos estar num lugar de privilégio, podemos estar inseridos à margem do que é socialmente aceito, do que é medianamente vivido. Todos e todas estamos inseridos/as dentro de sociedade que diferencia os hábitos alimentares conforme o lugar que ocupamos nela.

O conceito de Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA) é muito importante ser trazido nessa conversa. O DHAA é um dos consensos internacionais registrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, entre eles está a alimentação como um direito fundamental para a manutenção da vida humana. Eles são universais, indivisíveis, interdependentes e interrelacionados.

Eu entendo que pobres ou pessoas que estão inseridas na sociedade de uma maneira marginalizada possuem hábitos alimentares, não possuem a garantia do DHAA (e outros também…), eles e elas não possuem o acesso aos alimentos. Isso não significa que uma pessoa em situação de rua não nasceu numa família e que essa família não traz em si uma bagagem cultural, um acúmulo vivencial que dá tom e forma para seus hábitos alimentares.

Dizer que pobres não têm hábitos alimentares é negligenciar o DHAA, é negligenciar que existe sim pessoas que não tem acesso ao um alimento em quantidade e qualidade suficiente, garantia prevista para que ela exerça o seu direito fundamental de vida. Falar de DHAA é falar do direito à vida e de ter dignidade para viver. Todos nós precisamos de alimentos que sejam suficientes para garantir a nossa vida. Pessoas pobres, pessoas com pouco acesso a dinheiro para comprar ou a terra para produzir são pessoas que tem o seu direito à alimentação violado, um direito – como eu já disse – fundamental.

Considerando mais um elemento “equivocado” do projeto que apresenta como “solução para a erradicação da fome” a profusão de um alimento ultraprocessado à população. Concordo com o emprego da expressão ração humana, não só pelo aspecto, mas pela própria natureza desse produto que é destituído de identidade, de acúmulos culturais e construções sociais populares. Todos e todas nós temos heranças socioculturais, todos e todas temos histórias alimentares. Esse projeto se coloca como um mecanismo que destitui de um ser humano parte do que o constitui simplesmente pelo seu não acesso a recursos materiais para comer, vestir e morar.

Essa iniciativa de alimentos para todos é infundada e fracassada desde sua gênese por não considerar as dimensões culturais e simbólicas que todo o ser humano tem. Não somente por isso, mas porque coloca em xeque o que que entendemos por alimentos: eu entendo por alimento uma cápsula? Um suplemento alimentar? Eu restrinjo o alimento a uma massa de nutrientes para dar conta da minha manutenção energética, manutenção fisiológica? Ou eu penso no alimento como base estruturante das nossas histórias, vivências e das nossas culturas sociais?

Respeitar o outro na sua singularidade é não aceitar a afirmação que pessoas pobres não têm hábitos alimentares, é não aceitar que em função de uma vulnerabilidade socioeconômica as pessoas precisam estar agradecidas ou aceitarem qualquer tipo de alimento. Pensar nisso é importantíssimo, pra vida, e especialmente gestores/as públicos/as que executam políticas públicas. É fundamental existir uma gestão pública que perceba as múltiplas dimensões que formam as esculturas sociais de um município, estado ou país. Como os governos se relacionam com as cidadãs e cidadãos dos territórios brasileiros?

Para não acabar esse texto nem pessimista, nem tão reflexiva vou dizer para vocês que São Paulo PULSA de atividades que contribuem para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada! Caberia a gestão municipal olhar para essas iniciativas e identificar como fortalecer os diferentes e numeroso projetos que trabalham com uma alimentação socialmente justa e ambientalmente saudável.

Pessoas de São Paulo são infinitamente mais qualificadas para indicar espaços para serem conhecidos, vou compartilhar alguns que conheço por amigos e que podem ser portas para todo mundo que quiser fortalecer as ações que já existem e contribuem para a segurança alimentar e nutricional da população paulistana. =)

Quebrada Sustentável: ponto de cultura socioambiental Educativo, trabalhando com Permacultura e Agroecologia, co-gerimos o Viveiro Escola União de Vila Nova, subprefeitura de São Miguel Paulista, extremo leste de São Paulo.

Cidades Comestíveis: projeto de cidade que visa estimular uma rede colaborativa de compartilhamento de recursos, conhecimentos e trabalho entre pessoas interessadas em cultivar hortas comunitárias e caseiras.

MUDA SP: movimento da sociedade civil, prefeitura de São Paulo e entidades sem fins lucrativos para incentivar a produção de alimentos sem agrotóxicos na metrópole; ocupar os espaços públicos e resgatar o contato com a natureza; difundir a alimentação saudável e sem desperdícios; devolvendo ao cidadão o direito de cultivar e preparar sua própria comida.

Referência base:

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Lisboa, 1989. Disponível online.

 

Texto publicado no dia 21/10/2017 no site PorQueNão? – Mídia Interdependente

FOMES DO MUNDO

FOMES DO MUNDO

O título desse texto é uma afirmação e uma provocação. Existem mais formas de manifestação da fome do que o senso comum nos ensina. Você já pensou sobre isso?

Se afirmamos que a maioria das pessoas no globo passam fome hoje, você acreditaria? Por um lado você pode concordar, pensando que fome é sinônimo de apetite e/ou vontade de comer, todo mundo tem fome todos os dias. Este é um tipo de fome, a definimos como fome aguda. Ok, até aí, tudo certo. Quando estamos com fome, abrimos a geladeira de casa ou vamos à uma padaria e saciamos nossa vontade.

Precisamos lembrar que não são todas as pessoas que possuem recursos para adquirir seu alimento. Nesse sentido, se uma pessoa fica com fome por muito tempo e/ou não sacia em quantidade suficiente seu apetite e necessidades biológicas de manutenção de vida, essa fome é chamada crônica. Existe ainda uma terceira hipótese com duas situações: eu tenho algum recurso para comprar comida, mas não o suficiente para consumir várias opções, ou; eu tenho recursos para comprar a comida que eu quiser e opto por consumir alimentos que não tomem muito do pouco tempo de uma rotina agitada e estressante em uma metrópole. Essas duas histórias contam com um elemento em comum: uma alimentação não saudável. Hábitos alimentares monótonos e/ou em quantidade insuficiente para suprir necessidades nutricionais de uma pessoa gera o que estudiosos chamam de fome oculta. As fomes oculta e crônica são estados nutricionais que se desdobram na desnutrição, que ainda pode se expressar em subnutrição ou obesidade.

Três fotografias de um mesmo fenômeno, três fotografias que retratam as fomes do mundo. Quem dera que as lutas de combate à fome ocorressem apenas no âmbito da fome aguda! Assim, entramos em um “diálogo perigoso” como diria Josué de Castro, médico profeta que teve a ousadia de marcar a sociedade com seus estudos sobre fome no Brasil. Há 70  anos, em sua obra Geografia da fome, Josué demonstrou a influência dos fatores socioeconômicos sobre os fatores biológicos da nossa população, através da deficiência alimentar e da predominância de interesses privados sob os coletivos.  

A fome não se limita a uma enfermidade biológica, mas sim é uma doença social fruto da má distribuição de alimentos no globo; do sistema agroalimentar super mecanizado e dependente de agroquímicos, e; de uma indústria alimentícia preocupada no excessivo consumo de seus produtos, muitas vezes, não saudáveis. Em suma, a fome é um desdobramento social da forma como a cadeia de produção de alimentos opera hoje, embasada nos princípios do capitalismo corporativista, sistema político econômico que consome nossos dias.

É importante ressaltar que ambos os quadros (obesidade e desnutrição) são graves e evocam múltiplos olhares para o planejamento e execução de estratégias que em uma primeira instância os reduzam e em melhores perspectivas efetive sua devida erradicação. Esse adoecimento generalizado é gerado em decorrência de inúmeros fatores, tais como o ultra processamento de alimentos pela indústria alimentícia, o uso excessivo de agrotóxicos e as monoculturas que massificam e monotonizam a alimentação das pessoas.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO – Food and Agriculture Organization) estima que cerca de 805 milhões de pessoas são cronicamente subnutridas entre os anos de 2012 e 2014. É um número expressivo, mas está dentro de uma tendência de redução. Este número é de 100 milhões menos que na última década e 209 milhões menos que na década de 90. Estudiosos apontam que, inversamente proporcional está à prevalência de sobrepeso e obesidade na população mundial e brasileira, cresce a cada década alcançando todas as faixas etárias.

Esses problemas sociais colocados sob o plano de fundo global parecem possuir um peso de impossibilidade em sua resolução. No entanto, ações locais e suas devidas articulações regionais podem ser potentes possibilidades de minimizar os impactos que uma má alimentação geradora de efeitos em sujeitos e seus contextos tanto numa condição abundante de alimentos como também na falta destes. São as potencialidades encontradas no encontro e na convergência de saberes e práticas sustentáveis que nos fortalecem para seguir os passos de tantas pessoas no combate às fomes do mundo.

Referências usadas.

FAO – Food and Agriculture Organization of the United Nations. The State of Food Insecurity on the World – Strengthening the enabling environment for food security and nutrition. Rome, 2014.

MONTEIRO, C. A. A dimensão da pobreza, da desnutrição e da fome no Brasil. Estudos Avançados. São Paulo, 2003.