Brasília foi uma das 40 cidades em 22 estados que participaram do ato de protesto contra a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA

O ato ocorreu no dia 27 de fevereiro, com representação de 22 estados em manifestações realizadas em 40 cidades no país. No Distrito Federal, o banquetaço ocorreu em Brasília entre os prédios do CONIC e shopping Conjunto Nacional em frente a rodoviária central.

O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA é um espaço legítimo de participação popular, na construção de políticas públicas de Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional no país. Essas políticas contribuem para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável. Historicamente, este órgão congrega ativistas, representantes de movimentos sociais e/ou povos e comunidades tradicionais, organizações e entidades implicados no monitoramento, planejamento e articulação intersetorial de ações para o combate à fome e melhoria da qualidade alimentar e nutricional no Brasil, o que quer dizer: uma alimentação que seja socialmente justa, culturalmente referenciada e ambientalmente sustentável.

Tanto a sociedade civil quanto parlamentares do congresso foram o público alvo da ação que se colocou como um instrumento de sensibilização e educação sobre o tema para que tanto a população saiba requerer seu direito por uma alimentação saudável e de qualidade quanto os representantes públicos incluam nas suas pautas de gestão a Segurança Alimentar e Nutricional em suas ações.

Banquetaço Brasília | Resumo do dia

A articulação do ato ocorreu de forma virtual e presencial, o grupo de whatsapp da comissão de Brasília congregou, aproximadamente, 100 pessoas com envolvimento no tema dos mais diversos segmentos da sociedade. As reuniões preparatórias para planejamento e organização da manifestação na cidade, contou com um grupo nuclear de trabalho operando com cerca de 30 pessoas presencialmente. Organizações e entidades ligadas à agroecologia e compostagem urbana; sindicatos; alunos/as e professores/as de graduação da Universidade de Brasília; ativistas de movimentos sociais como o Slow Food Cerrado e o Bem Viver; agricultores/as e coagricultores/as das Comunidades que Sustentam a Agricultura – Rede CSA Brasília, assim como parlamentares de diferentes partidos políticos, nutricionistas, cozinheiros/cozinheiras e donos de restaurantes compuseram esta rede de cores, sabores e afetos em torno do alimento.

Uma equipe de aproximadamente 30 pessoas se envolveram nas preparações que foram distribuídas gratuitamente à população como uma forma de sensibilização sobre a importância do CONSEA para a sociedade, bem como, a relevância de considerar a origem do nosso alimento como um elemento determinante e impulsionador de processos que fortalecem diferentes cadeias de produção de alimentos. A escolha da oferta de comida de verdade produzida com alimentos agroecológicos e regionais do bioma cerrado teve a intenção de mostrar o quanto é possível garantir o acesso à alimentação adequada e saudável de forma, boa, limpa e justa. Se não conseguimos até hoje acabar com a fome no Brasil, pode-se perceber que é uma questão política de agenda de gestão.

O lema da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: “Comida de verdade, no campo e na cidade” foi evocado nas falas de diferentes representações que participaram do evento. Entende-se por comida de verdade, segundo o documento da conferência realizada em 2017:

“aquela que reconhece o protagonismo das mulheres, respeita os princípios da integralidade, universalidade e equidade. Não mata nem por veneno nem por conflito. É aquela que erradica a fome e promove alimentação saudável, conserva a natureza, promove saúde e a paz entre os povos”

Mais de mil refeições foram entregues aos passantes do local que não só puderam experimentar preparações elaboradas por diferentes voluntários e voluntárias, como também, conheceram melhor a atuação do CONSEA e conceito de comida de verdade por meio de pratos produzidos com alimentos vindos da agricultura familiar, sem agrotóxico, valorizando ingredientes regionais do bioma cerrado como o pequi e o baru. As Plantas Alimentícias Não Convencionais – PANC –, também marcaram presença nas receitas como o coração de bananeira que virou recheio para escondidinhos de mandioca e abóbora.

Cozinheiros como Paulo Mello, Tonico Lichtsztejn, Cristina Roberto apoiaram a ação coordenando as equipes das cozinhas dos restaurantes apoiadores. O laboratório de técnica dietética do curso de Nutrição da Universidade de Brasília também foi utilizado, assim como a cozinha da casa da nutricionista Bruna de Oliveira com a do-supervisão da cozinheira Talitha Ferreira foram os pontos de encontro entre práticas alimentares e técnicas gastronômicas com muito amor, implicação política e compromisso com a causa de SAN.

A participação ativa de produtores e agroextrativistas foi o cerne do ato por meio do trabalho do casal extrativista Dona Ana e Seu Zilas, integrantes do Movimento Slow Food, e, a generosidade e articulação da Rede CSA Brasília que doou a majoritária quantidade de alimentos produzidos de forma agroecológicas e sem o uso de agrotóxicos. Considerando que o conceito de de Segurança Alimentar e Nutricional abrange a cadeia de produção de alimentos da semente ao prato, o movimento de Agricultura Urbana também esteve presente com a presença do jornalista Juarez Martins, também empreendedor social do projeto Horta Linda com a distribuição de mudas de hortaliças.

Além de um ato público com representações políticas e institucionais, música, teatro e poemas compuseram o ambiente de um verdadeiro festejo popular! Cecília, artista, realizou uma performance apresentando as diferentes realidades de vida e morte contidas na forma de produção de alimentos em crítica ao sistema agroalimentar hegemônico no país, mais conhecido como agronegócio. Ainda, Martinha do Coco, cantora renomada na região, embalou o compartilhamento das comidas com muita música, alegria e resistência.

Até o momento, ainda não está definido como a Medida Provisório nº 870 tramitará no congresso nacional, contudo, espera-se que o Banquetaço Nacional sirva como gatilho para o fortalecimento das lutas por comida de verdade para todas as regiões do país. Enquanto a MP não é votada, muito ainda pode ser feito para difundir o tema da alimentação saudável e sustentável entre todos e todas neste vasto e biodiverso Brasil. A rede que se formou para realização deste ato expressa um coletivo na cidade de Brasília que pode ser importante para o tema da SAN/DHAAS no contexto político – histórico nacional.

Banquetaço DF em números

  1. Mais de 1000 refeições distribuídas gratuitamente;
  2. Aproximadamente 1 tonelada de alimentos preparados;
  3. 23 preparações elaboradas;
  4. Resíduos direcionados à compostagem urbana;
  5. 100% dos alimentos doados pela Rede CSA Brasília produzidos de forma agroecológica e sem o uso de agrotóxicos;
  6. 7 cozinhas de preparo
  7. Uma equipe de 30 cozinheiros e cozinheiras;
  8. Mais de 50 pessoas envolvidas na execução da manifestação

Restaurantes apoiadores

  • Hughub
  • Dona Lenha
  • Pinella
  • Bioon
  • Cristina Roberto Buffet
  • Buriti zen
  • Departamento de Nutrição/FS/UnB | OPSAN/UnB

Acompanhe o movimento e as repercussões deste ato nas redes sociais do coletivo Banquetaço (@banquetaco.nacional). As fotos do ato em Brasília estão disponíveis aqui. Está previsto uma reunião de avaliação do Banquetaço para definição de papéis e formulação de uma agenda de atividades no tema. Acompanhe as chamadas pelas redes sociais.