ALIMENTAÇÃO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: SAIBA COMO COMPRAR, COZINHAR E COMER EM UM MUNDO EM AQUECIMENTO GLOBAL

ALIMENTAÇÃO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: SAIBA COMO COMPRAR, COZINHAR E COMER EM UM MUNDO EM AQUECIMENTO GLOBAL

Traduzido por: Kellen Vieira

Este texto é uma tradução da matéria “Your Questions About Food and Climate Change, Answered” publicada no The New York Times em abril de 2019. Acesse a matéria original aqui. A publicação deste texto tem o objetivo de levantar o debate quanto a relação de como nossas práticas alimentares impactam o ambiente e as mudanças climáticas. As opiniões, em sua totalidade, não representam as opiniões da Crioula – Curadoria Alimentar. As afirmações e opiniões são de responsabilidade da equipe autora da matéria.

Uma grande fotografia sobre comida e mudanças climáticas

Tudo o que comemos colabora para as mudanças climáticas no planeta? Sim! O sistema alimentar global é responsável por, aproximadamente, um quarto dos problemas ambientais, incluindo a liberação de gases do efeito estufa que os humanos produzem a cada ano. Isso tudo, considerando a pecuária e a agricultura. Então, todas as plantas, animais e/ou seus derivados que consumimos (carne, frango, peixe, leite, lentilha, milho, entre outros), assim como as etapas desta cadeia: cultivo, processamento, armazenamento e transporte de alimentos aos mercados, em todo o mundo, fazem parte dessa cadeia. Se você come comida, você faz parte desse sistema.

Existem, pelo menos, 4 grandes exemplos de como nossa alimentação cotidiana contribui para o aquecimento global:

  1. Quando florestas são derrubadas para dar espaço para fazendas agropecuárias – e isso acontece diariamente em algumas partes do mundo – grandes quantidades de gases de carbono são lançados na atmosfera, e adoecem o planeta; 
  2. Quando vacas, ovelhas e cabras digerem seus alimentos, elas liberam metano, outro potente gás do efeito estufa que contribui para as mudanças climáticas; 
  3. Produção de alimento para animais e arrozais também são grandes fontes de liberação de metano. E finalmente,
  4. os combustíveis fósseis que são usados para operar o maquinário das fazendas. Eles que fazem a fertilização e distribuem o alimento pelo globo,e  cada um deles emite gases.

Os alimentos que geram maior impacto ambiental já foram identificados: carnes e laticínios, particularmente os das vacas, têm um maior impacto. O gado libera uma quantia de cerca de 14.5% dos gases de efeito estufa mundial a cada ano. Isso é mais ou menos equivalente à  emissão vinda de carros, caminhões, aviões e navios juntos, no mundo, atualmente.

Em geral, carne bovina e de ovelha tem o maior impacto climático por grama de proteína, enquanto plantas, se comparadas ao mesmo nível de proteínas de origem animal, tendem a ter um menor impacto. Porco e frango estão em limiar intermediário plantas e carne bovina. Um grande estudo publicado ano passado no periódico Science calcula a média de gases do efeito estufa emitido por diferentes comidas. 

Agora, isso são apenas médias. As carnes produzidas nos Estados Unidos produzem menos emissões do que a carne do Brasil ou da Argentina. Certamente queijos podem ter um maior impacto na emissão de gases do efeito estufa do que a carne de ovelha. E alguns especialistas pensam que esses números podem subestimar o impacto da degradação florestal associada à plantações e criações.

Mas a maioria dos estudos concordam com essa hierarquia: Uma alimentação baseada em plantas, geralmente, tem um menor impacto do que com consumo de carnes. E a carne de boi e ovelha são as piores, de acordo com  uma considerável parcela de estudiosos.

Existe alguma escolha alimentar simples que eu possa fazer para reduzir nosso impacto no clima? Consumindo menos carne vermelha e laticínios iremos, automaticamente, gerar um grande impacto para maioria das pessoas em países ricos. Isso não significa necessariamente virar vegano. Só precisamos consumir menos os alimentos que têm maior impacto ambiental, como carne de boi, de ovelha e queijo. Se procurarmos por substitutos: porco, frango, ovos e moluscos, geraremos menos impacto. Mas, certamente, uma alimentação com base vegetal – por plantas como feijões, lentilhas e soja -, tendem a ser mais “amigas do clima” do que as demais opções.

O quanto mudar nossa alimentação é algo que varia de pessoa para pessoa? Alguns estudos têm concluído que pessoas que normalmente tem uma “dieta pesada” – incluindo a maior parte da população dos Estados Unidos e Europa –. Poderíamos diminuir o impacto ambiental alimentar se um terço ou mais da população adotasse uma dieta vegetariana. Se abríssememos mão de laticínios a redução seria ainda maior. 

Mas se não quisermos ir tão longe, ainda há maneiras de diminuir nosso impacto individual. Basta comermos menos carne e laticínios e mais plantas, isso pode reduzir as emissões de gases do efeito estufa. Cortando a carne vermelha, em particular, poderíamos produzir uma surpreendente diferença: de acordo com a análise da World Resources Institute (Instituto de Recursos Mundiais), se em média os americanos substituíssem um terço da carne de gado que comem por porco, pato (ave de capoeira) ou legumes, iriam diminuir em torno de 13% a emissão relacionada à alimentação..

No entanto, precisamos manter em mente que consumo alimentar de uma pessoa, é apenas uma pequena fração do impacto ambiental em um todo, ainda tem: dirigir, voar e a energia elétrica para se considerar. Mas mudanças na dieta são frequentemente uma das formas mais rápidas para muitas pessoas modificarem seus impactos no planeta.

Calma! Cada um de nós é apenas uma pessoa. É verdade que uma única pessoa pode fazer uma minúscula modificação no panorama global do problema climático do planeta. Esso é um grande problema que requer ações de larga escala e políticas públicas de mudanças locais. Os alimentos não são o maior contribuinte para o aquecimento global: a maioria é causada por queima de combustíveis fósseis para eletricidade, transportes e indústrias. Por outro lado, se muitas pessoas, coletivamente, fizerem alterações nas suas dietas, poderíamos começar alguma mudança real.

Cientistas têm alertado que nós precisaremos diminuir o impacto climático da agricultura em até dez anos se nós quisermos o aquecimento global “sob controle”, principalmente com o crescimento populacional global. Para isso acontecer, agricultores e criadores vão precisar encontrar meios para diminuir seus impactos e se tornar muito mais eficientes, plantando mais comida em menos terra, a fim de diminuir o desmatamentode florestas. No entanto, especialistas s também têm argumentado que se aqueles que comem carnes “mais pesadas” (boi e ovelha) diminuírem comendo essas ditas “mais leves”, moderadamente, ajudariam a liberar mais terras para alimentar outras pessoas.

Vamos olhar esse cenário em profundidade? Abaixo estão descritas questões emblemáticas sobre algumas categorias alimentares: carnes; peixes e frutos do mar; leites e derivados; plantas; consumo e desperdício alimentar. 

CARNE

Por que a carne tem um grande impacto climático?

Pense sobre essa perspectiva: É mais eficiente plantar para humanos comerem, do que plantar para animais comerem e esses animais servirem de alimento para humanos. Um estudo recente da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) conclui que, em média, é preciso 1,4Kg de plantas para produzir 0.45 gramas de carne.

Isso ao pé a história inteira. Na defesa de vacas, frangos, porcos, eles se alimentam de muitas coisas que humanos, por outro lado, não comem, como gramíneas ou resíduos de plantações. E a carne pode ser rica em nutrientes essenciais como ferro e proteína, mas em geral, demanda mais terra, energia e água para produzir 0.45 gramas de proteína animal do que a mesma quantidade de proteína de origem vegetal..

Carne de boi e ovelha , em especial, provocam um grande impacto ambiental por outra razão: Os estômagos dos bois e ovelhas contém uma bactéria que auxiliam na digestão de grama e outros alimentos. Contudo,essa bactéria cria metano, um potente gás do efeito estufa, e esse gás é liberado através das flatulências.

Tem problema nas formas como as vacas são criadas?

Sim. Vários gados nos Estados Unidos são criados em pastos que não deveriam ser usados de outras maneiras, mas em países como Brasil e Bolívia, países que são os maiores em exportação de carne, a história é outra. Tem, milhares de acres de florestas que foram queimadas para criar mais espaço para a criação de gado.

Estudos têm apontado que, como um resultado, a carne do Brasil pode ter 10 vezes mais impacto climático do que a carne dos Estados Unidos. Mesmo dentro dos Estados Unidos, pode haver uma variação significante no impacto climático das criações de gado, dependendo de fatores climáticos locais e dos métodos de criação do gado. Infelizmente, para esse tipo de informação ser usada pelos consumidores, necessitaríamos de muito mais detalhes dessa pesquisa do que existe hoje.

E sobre a técnica “grass fed”?

Nos Estados unidos, a maioria das criações passam o primeiro ano em pastagens se alimentando de gramíneas Depois disso, são movidos para um criadouro para uma fase de engorda à base de rações. Em contraste o “grass-fed” ou “grass-fininshed” o gado continua pastando por toda sua vida até o momento do abate.

Alguns cientistas afirmam que a carne “grass-fininshed” pode ser uma opção mais sustentável: Com uma criação no pasto, se tem estímulos para que a grama cresça com raízes mais profundas e que sequestrem mais carbono dentro do solo, ajudando a diminuir o impacto climático do gado. Contudo, por outro lado, com a criação por “grass-fininshed”, o animal cresce mais devagar e, consequentemente, demora mais tempo para o abate. Isso significa que o gado libera, por mais tempo, metano na atmosfera. Nesse contexto, alguns estudantes sugerem que o “grass-fed” pode ser ainda pior para o clima, no entanto, apesar de tudo, esse debate ainda está em voga..

Por enquanto é difícil dizer com certeza se a técnica “grass-fininshed” é menos prejudicial às mudanças climáticas do que a criação convencional de carne.

E os frangos?

Alguns estudos têm apontado que frangos e outras aves geram um menor impacto climático do que outras criações animais. Nos dias atuais, frangos são criados de forma extremamente eficiente, no que diz respeito à conversão da alimentação em carne.. Isso não significa que frangos são perfeitos: A escala industrial de produção de aves continua a gerar poluição e têm provocado um grande debate sobre o bem-estar animal. Entretanto, se você está unicamente focado nas mudanças climáticas, aves geralmente produzem bem menos emissões de gases do que gado e ovelhas, e um pouco menos do que suínos.

Os humanos deveriam parar de comer carne de uma vez por todas?

Não necessariamente. Alguns especialistas argumentam que uma dieta sustentável continua incluindo plantas e animais. Vacas e outras criações, apesar de tudo, podem ser criadas em pastos impróprios para cultivo de plantas, considerando que o gado se alimenta de espécies de plantas não são utilizadas para o nosso consumo. Eles produzem esterco que pode ser utilizado como fertilizante. E a criação animal provê o sustento de 1,3 bilhões de pessoas pelo mundo. Em vários países, carne, ovo e leite são fontes vitais de nutrição quando não há boas alternativas disponíveis.

Por consequência existem também milhões de pessoas pelo mundo – em lugares como Estados Unidos, Europa e Austrália – que habitualmente consomem mais carne do que necessitam para uma dieta saudável, de acordo com uma reportagem recente na revista científica de medicina “The Lancet”. E se nós queremos alimentar uma população crescente, sem aumentar o aquecimento global ou aumentar a degradação de florestas, seria necessário, e faria diferença, se diminuíssemos o consumo de carnes como as de gado e ovelha.

E sobre a carne falsa?

Algumas plantas podem ser substitutas da carne, como os produtos da “Impossible Meat” e da “Beyond Meat”, que são cada vez mais presentes em supermercados e também em redes de fast foods. Feitos a partir de vegetais, amidos, óleos e proteínas sintéticas, esses produtos são uma tentativa de imitar o gosto e textura da carne, mais do que os substitutos tradicionais como tofu e seitan.

O julgamento sobre o impacto desses produtos na saúde humana ainda está em aberto, e eles aparentam ter um menor impacto: um estudo recente estima que a Beyond Meat tem apenas um décimo de impacto climático do hambúrguer de carne bovina.

No futuro, pesquisadores estarão aptos para desenvolver carne real a partir de culturas celulares animais. – O trabalho é desenvolvido por esse princípio. Mas ainda é muito cedo para dizer quão isso ajudará a diminuir os impactos climáticos, até porque a produção da cultura celular da carne demandará muita energia.

Há outras formas da carne poder ser menos prejudicial para o clima?

Sim. Se a produção de carne global for mais eficiente, produtores e criadores estarão aptos a alimentar mais pessoas enquanto reduzem a emissão de gases.

Isso já ocorre em países como os Estados Unidos. Por exemplo, o país produz mais carne hoje do que em 1975, mesmo considerando que os números totais de criações tenham caído um terço. Avanços genéticos dos animais, da medicina veterinária, na qualidade da alimentação dos animais e na interação animal com o meio ambiente já estão auxiliando a diminuição no impacto climático dos sistemas de criação animal no planeta, e ainda há muitas possibilidades de inovação. Alguns cientistas estão tentando compreender como fazer vacas produzirem menos metano com a introdução de algas marinhas e outros alimentos aditivados na alimentação bovina.

A partir do pressuposto que a população inteira não irá aderir a dieta vegetariana em um tempo breve, esses esforços irão ajudar a fazer um impacto mais sustentável da produção de carne.

Frutos do mar

Quais tipos de frutos do mar eu poderia comer?

Em geral a pesca tem um impacto climático relativamente pequeno,, sendo o maior impacto causado na queima de combustíveis dos barcos. Uma análise recente aponta que peixes de pesca que são mais populares – anchovas, sardinhas, arenque, atum e bacalhau – geram, em média, menos emissão de carbono do que frango ou porco. Moluscos, como ostras e vieiras, também são alternativas que emitem pouco carbono.

Vale observar que o camarão e a lagosta produzem mais carbono do que porcos ou frangos, pois pescá-los demanda maior gasto de combustível dos barcos.

Existe uma grande questão sobre toda a comida marinha, pois:  atualmente, o mundo já explorou o máximo possível – a maioria dos pescadores pescam da forma mais sustentável permitida, enquanto outros não. Então, esse não é um incentivador para o mundo consumir mais carne de peixe. Por enquanto você pode pesquisar estudos como Seafood Watch para verificar se o peixe que você consome é sustentável.

Os frutos do mar de cativeiro são uma boa alternativa a longo prazo?

Se nós formos comer mais frutos do mar nas próximas décadas, geraremos um aumento nas produções de frutos do mar em cativeiro, também chamada de piscicultura. Fazendas de peixes podem ser uma boa opção sem impactos climáticos, particularmente a produção de moluscos, mas não é uma constante. Esse fator frequentemente depende das práticas de criação e da localidade.

Em lugares como a Noruega, que possuem regulações de direito ambiental justas, fazendas piscicultoras tem baixo impacto climático. No entanto, em partes do sul da Ásia, produtores estão destruindo manguezais para produzir frutos do mar em cativeiro que produzem grandes emissões de gases do efeito estufa.. E algumas psiculturas na China produzem enormes quantidades de metano. Há muitas promessas de esforços para aprimorar as criações de peixes e fazer o processo produzir menos impactos, todavia ainda há um longo caminho a percorrer.

Como eu sei se determinada fazenda de piscicultura é boa ou má para o clima?

Existem vários grupos como o “Aquaculture Stewardship” e “Friend of the Sea” que certificam criadouros que aderem à práticas inovadoras para diminuírem seus impactos ambientais. O que pode ser um bom ponto de partida. Mas temos que ter cuidado: Há críticas apontando que esses métodos ainda não são ideais e tampouco nulos em relação aos impactos climáticos causados pelas técnicas de piscicultura. 

Um estudo recente aponta alguns tópicos gerais sobre fazendas de piscicultura: Fazendas de moluscos tendem a ser a opção com mais proteína e menos emissão de gases. Esse estudo também sugere que a criação de salmão tem, em comparação, um menor impacto do que o frango ou porco. Por outro lado, as fazendas de bagre e camarão requerem mais energia para a circulação da água, o que impacta muito mais no clima do que a carne bovina. Mas há muita variação de criadouro para criadouro.

Então qual a melhor opção que eu posso fazer dentre os frutos do mar?

Você pode incorporar mais moluscos na sua dieta. A maioria dos norte-americanos não comem isso em casa, mas moluscos e familiares são suculentos e mais fáceis de cozinhar do que você poderia imaginar.

Seja criado em cativeiro ou não, os peixes podem fornecer uma boa alternativa para um consumo com menor impacto climático. Todavia, vale lembrar que é importante pesquisar a origem do produto e verificar se este é certificado como sustentável.

Laticínios

Quanto o leite e queijo impactam mudanças climáticas?

Vários estudos indicam que o leite gera menos impacto ambiental que o frango, ovos e porco por grama de proteína. Iogurte, queijo cottage e cream cheese são similares ao leite.

No entanto, vários outros tipos de queijo, como cheddar ou mozzarella, podem ter um maior impacto climático do que frango ou porco, pois normalmente se utiliza 4,5 Kg de leite para fazer 0,45 gramas de queijo.

Pera aí, queijo pode ser pior que frango?

Isso vai depender do queijo. Mas genericamente falando, sim, se você decidir ser vegetariano e comer queijo ao invés de frango, seus impactos nas mudanças climáticas serão menores do que você espera.

Tem algum tipo de leite que é melhor do que os outros? Eu pago muito caro por leite orgânico.

A resposta rápida é: você não pode considerar o leite orgânico como sendo melhor para diminuir impacto climático.

Nos Estados unidos, esse termo “orgânico” no  leite, só significa que as vacas pastaram apenas 30% do seu tempo de vida, que não foram tratadas nem com hormônios ou com antibióticos, e ainda que se alimentaram de nutrientes sem fertilizantes sintéticos ou agrotóxicos. Apesar desse fato ser reconhecido por várias pessoas, não há reconhecimento de que uma criação orgânica cause menos danos ao clima em relação a uma fazenda convencional.

Em arquivos e estudos não há uma concordância se as fazendas de produção de laticínio orgânicas produzem mais, menos ou a mesma quantia de gases do efeito estufa do que as fazendas convencionais, por galão de leite. Esse fato vai alternar de fazenda para fazenda. O problema é que não há nada sobre a produção orgânica que nos aponte para uma especificidade sobre o impacto climático do produto de leite que você está adquirindo.

Quais alternativas de leite de origem não animal é a melhor?

Leite de amêndoa, aveia e soja produzem uma menos gás do efeito estufa do que o leite de vaca. Mas, como tudo, há ressalvas e exceções a serem consideradas. Amêndoa requer muita água para crescer, o que pode ser um problema em regiões mais secas. Leite de soja tende a ser menos impactante, no entanto a soja, por sua vez, contribui para uma grande indústria latifundiária.

Plantas

Então vocês afirmam que eu deveria adotar uma dieta vegana?

Se você estiver interessado em tomar a decisão de adotar a dieta vegana, ela causa um impacto climático menor.

Eu não gosto de comida vegana. O que eu poderia comer?

Se você gosta de macarrão com molho de tomate, homus, torrada de abacate ou pasta de amendoim com geleia, você, na verdade, gosta de algumas comidas veganas. Para algumas pessoas, é difícil de conceber a adoção der uma dieta inteiramente vegana. Há também a alegação de que, na dieta vegana, é necessário adotar substitutos para a carne como o tofu, mas isso não é verdade: existem muitas proteínas no feijão, grãos e avelãs. E quanto mais as pessoas se tornarem vegetarianas, versões de alimentos como sorvetes, manteigas e hambúrgueres vegetais serão aprimoradas para a comercialização.. Para aqueles que gostam de cozinhar em casa, o desafio seria produzir uma comida vegana para que todos na mesa comam.

Eu não acho que eu consigo ser completamente vegano. O que mais eu posso tentar?

Uma alternativa é diminuir o consumo de carne e laticínios e aumentar os de proteína vegetal como feijão, legumes, leguminosas e grãos.

Você pode se tornar vegetariano e cortar as carnes: gado, ovelha, frango, porco e peixes. A vantagem aqui é que as regras são simples e há várias alternativas vegetarianas em mercados e restaurantes.

Adicionar apenas frutos do mar em uma dieta vegetariana também pode ser um bom compromisso e uma boa maneira de adicionar proteínas na sua refeição.

Para manter alguma comida convencional na sua dieta, tentar substituir a carne vermelha por frango, porco, peixe ou plantas, é a alternativa mais flexível.Todavia, significa que você terá de realizar uma mudança gradual e continuar verificação de origem dos alimentos que você consome.

A produção orgânica é realmente melhor do que a produção convencional?

A produção orgânica não utiliza fertilizantes sintéticos nem agrotóxicos, o que muitos consideram essencial. No entanto, isso não significa necessariamente que a produção é melhor de uma perspectiva climática. Na verdade pode ser um pouco pior – fazendas orgânicas demandam mais terras do que fazendas convencionais. O que significa que fazendas orgânicas podem variar o impacto de lugar para lugar, e o selo orgânico não dá uma informação precisa sobre a emissão de carbono daquela produção.

Eu devo me preocupar se o produto está de acordo com o clima local e sazonal?

Em geral, o que você come importa mais do que de onde o produto vem, desde que o transporte impacte apenas 6% no impacto climático total do que você está comendo. Então, há algumas considerações a serem feitas.

Aldo que está na época de colheita Quando os alimentos são sazonais, e ,você compra diretamente do produtor ou no mercado, geralmente é uma boa escolha.

As coisas são mais complicadas se estão fora da época de consumo. Algumas frutas e vegetais são transportadas por avião que tem um violento impacto nas emissões de carbono. No inverno isso inclui aspargo e mirtilo – e outros produtos perecíveis em geral produtos perecíveis que precisam ser transportados rapidamente por grandes distâncias. Por outro lado, maçãs, laranjas e bananas, podem ser transportadas por navios, que são menos impactantes. Muitos dos vegetais que são de locais de clima frio, como batatas e cenouras, podem ser estocadas depois da colheita de outono e se conservarem durante o inverno.

Em alguns casos, isso pode ser uma vantagem para comidas que são transportadas para outros locais. Por exemplo, se você vive no norte dos Estados Unidos, pode ser melhor comprar tomates vindos da Califórnia ou Flórida, do que comprar uma variedade local que foi produzida com o uso intensivo de energia em uma estufa.

Compra e desperdício de alimento

O desperdício de comida é uma grande parte dos problemas climáticos?

Sim. Há algumas estimativas de que os norte-americanos descartam pelo menos 20% de toda comida que compram. Isso significa que toda energia usada para a produção desses alimentos também é desperdiçada. E, se você compra mais comida do que consome, seu impacto climático é maior que a média. Portanto, minimizar desperdícios pode ser uma boa estratégia para diminuir emissões de gases do efeito estufa.

Como eu posso reduzir meu desperdício de alimentos?

Existem diversas possibilidades. Se você cozinha, comece planejando a refeição: nos finais de semana, separe 20 minutos para planejar três jantares para a semana. Assim você irá comprar apenas os alimentos que você planeja cozinhar. O mesmo se aplica se você vai comer fora de casa: Não peça mais do que irá consumir. Além disso, você também pode cortar e lavar os produtos antes de guardar, para torná-los mais eficientes na hora de usar. Esteja ciente do que você armazena na geladeira para não deixar nada estragar.

Também vale lembrar que alimentos “vencidos” não significam que são inadequados para o consumo.. Geralmente essa data é uma sugestão de garantia da permanência da qualidade. Muitos alimentos (com exceção de leites e papinhas de bebê) podem ser consumidos de forma segura após essa data.

Eu deveria ter uma composteira?

Se você tem condições de tê-la, não é uma má ideia. Quando a comida é jogada em aterros sanitários com outros tipos de lixos, ela se decompõe e libera metano na atmosfera, um dos gases que causam aquecimento global. Nesse sentido, várias cidades já adotam um sistema de captura do metano, reciclando para gerar energia, mas esse fato não se aplica à maioria..

Quando a decomposição é feita da maneira correta, o material orgânico descartado é convertido em composto que ajuda no crescimento de outras plantas e a produção de metano é significativamente reduzida. Algumas cidades, como Nova Iorque, iniciaram programas de coleta seletiva. Também da iniciativa de constituir composteira caseira.

Eu deveria usar sacolas plásticas ou de papel?

Aparentemente as sacolas de papel são um pouco menos piores, numa perspectiva de emissão de gases, se comparado as sacolas plásticas. Além disso, as sacolas plásticas não são facilmente recicladas e demoram muito mais tempo para se decompor. Mas em geral sacolas ocupam 5% da emissão global relacionada à comida. O que você come é um problema muito maior do que a embalagem do produto.

Nesse sentido, é uma ideia muito boa reutilizar sacolas que você já tem ou comprar sacolas reutilizáveis (contanto que você as mantenha e as utilize frequentemente). Você também pode minimizar o uso de embalagens plásticas quando escolhe o produto. Plásticos como garrafas de refrigerantes ou leite, são mais difíceis de evitar, em contrapartida essas podem ser facilmente recicladas.

A reciclagem realmente faz alguma diferença?

A reciclagem pode ajudar, mas não é tão efetiva quanto a redução de consumo num primeiro momento. Reciclar alumínio, plástico e papel pode reduzir energia e gases emissores, no entanto, se certifique de quee você está separando o lixo devidamente; siga essas dicas para ter certeza se os recicláveis da sua casa não estão sendo encaminhados para o aterro sanitário.

Por que não há explicações nos mercados ou embalagens de alimento sobre o impacto climático dos alimentos?

Alguns experts argumentam a obrigatoriedade de rótulos ambientais em produtos alimentares, assim como tem dados nutricionais. Teoricamente, esses rótulos ajudariam consumidores interessados em consumir produtos com menor impacto e proporcionaria aos produtores um maior incentivo para diminuir seus impactos ambientais e climáticos.

Um estudo recente do jornal “The Science” sugere que, aparentemente,produtos quesão similares podem ter grandes diferenças nos impactos climáticos, dependendo dos processos de produção. Por exemplo,  comer uma barra de chocolate pode ter o mesmo impacto ambiental que dirigir um carro por 30 milhas – se florestas foram devastadas para o crescimento do cacau –, enquanto outra barra pode ter bem menos impacto ambiental. Entretanto, não há mais detalhes do que já temos hoje, e é bem difícil para o consumidor saber a diferença.

Isso significa que uma pesquisa detalhada sobre os impactos do produto requer muito mais monitoramento e cálculos sobre as emissões de gases. Somente dessa forma poderemos aprofundar ainda mais os esforços para implantar um sistema capaz de sanar essas necessidades. Por enquanto, mais consumidores irão seguir regras gerais e dicas desse artigo.

Informações complementares

  • A agricultura moderna inevitavelmente contribui para as mudanças climáticas, todavia algumas comidas têm maior impacto que outras. Carne de boi, ovelha e queijo são os que causam mais impacto. Porco, frango e ovos estão no meio. Plantas de todos os tipos tem o menor impacto.
  • O que você come importa muito mais do que se é local, orgânico ou o tipo de embalagem utilizada no produto ou para levá-lo para sua casa.
  • Você não tem que desistir de comer carne completamente para fazer diferença. Mesmo pequenas coisas como comer menos carne e mais plantas, ou substituindo carne vermelha por branca, pode reduzir o impacto climático do que você consome.
  • Uma maneira simples de diminuir seu impacto na emissão de gases através da comida é evitar o desperdícios. Comprando apenas o que você realmente irá consumir – em vez de descartar – significa que a energia usada para produzir seu alimento será usada de modo eficiente.

 

HÁ OUTROS CAMINHOS? PARTE 2 | CONHEÇA AS ESPÉCIES NEGLIGENCIADAS OU SUBUTILIZADAS

HÁ OUTROS CAMINHOS? PARTE 2 | CONHEÇA AS ESPÉCIES NEGLIGENCIADAS OU SUBUTILIZADAS

Traduzido por: Mariana Pianissolla

Este texto é uma parte da PUBLICAÇÃO ‘NUS – Fighting Poverty, Hunger and Malnutrition with Neglected and Underutilized Species’ , publicação da organização de pesquisa para o desenvolvimento ‘Bioviversity International’ em 2003. Versão original disponível aqui.

Introdução

“Natureza é recompensa” é uma expressão que não precisa de definição. É a natureza que nos alimenta, nos veste, nos esquenta, nos abriga, define nossos meios de subsistências e subsidia a cultura das populações humanas. Toda essa recompensa descansa na vida do planeta, a vida de todos os animais, incluindo os humanos, dependem da natureza. Aproximadamente 30.000 espécies de plantas já foram identificadas, mais de 7.000 delas já foram usadas na história da humanidade para alimentação (FAO, 1998). No presente, porém, não mais do que 150 espécies são comercialmente cultivadas e, dessas, apenas 103 garantem 90% das calorias da dieta humana². Apenas quatro delas (arroz, trigo, milho e batata) somam quase 60% do suprimento de energia para os humanos³.

Quase todos os esforços da Revolução Verde dos anos 1960 aos anos 1980 focaram no desenvolvimento das grandes culturas agrícolas básicas. Entretanto, dentro da perspectiva da sustentabilidade e segurança alimentar, contar com uma estreita base de alimentos faz com que nosso fornecimento de comida seja extremamente vulnerável. Basear nossa dieta num pequeno número de principais culturas têm implicações na segurança alimentar e nutricional. A falta de diversidade genética deixa nossa agricultura vulnerável à pragas, doenças e estresse abiótico. Neste mundo interconectado, a variação na devastação irlandesa da batata do século XIX teria inúmeras e desastrosas consequências. O antegosto do que pode acontecer foi experimentado nos anos 1970, quando variedades híbridas de milho se mostraram sensíveis a ferrugem da folha, em 1930 quando fungos atacaram o taro cultivado em Samoa, e em 1875 quando devastaram a plantação de café do Sri Lanka. Uma corrente global que ameaça a produção de trigo é a ferrugem. Essa agressiva e muito destrutiva doença apareceu pela primeira vez na Uganda, mas se espalhou pelo Oriente Médio, destruindo plantações de trigo. Isso é ameaçador para os países produtores de trigo onde as variedades resistentes estão em falta. Para prevenir essa e outras calamidades na produção de alimentos, é claro que é preciso manter a diversidade dentro e entre culturas no nosso sistema de produção.

Como consequência das vantagens comerciais das monoculturas e do alto rendimento dos melhoramentos híbridos, a diversidade de espécies – caracterizada por culturas locais, variedades tradicionais e menores – está sendo negligenciada por agrônomos, bem como por serviços de extensão. Em muitas áreas elas estão sendo totalmente perdidas, juntamente com o conhecimento tradicional do seu cultivo e uso.

Ao mesmo tempo, o mundo sofre com desnutrição, pobreza, degradação dos ecossistemas e impactos no clima, sendo assim, a produção agrícola pede urgentemente por esforços para as culturas negligenciadas e menores, semelhantes ao suporte já feito as principais lavouras. Está cada vez mais claro que ações mais ousadas e consistentes são necessárias para ampliar a cesta de alimentos do mundo apoiando o desenvolvimento das culturas tradicionais marginalizadas pelas pesquisas atuais e políticas em agricultura.

Internacionalmente, existe um aumento do interesse em novos alimentos e outros produtos que podem contribuir em novas formas para saúde e nutrição humanas. Esse interesse pode ser explorado para desenvolver mercados para culturas não tradicionais, onde comunidades pobres podem ser beneficiadas, fornecendo incentivos para produtores que plantam essas culturas. Agricultura deve ir além das tecnologias da Revolução Verde do último meio século, que foram baseadas no melhoramento genético e no aumento do rendimento das culturas básicas, porém com um alto custo. Esses aumentos não permitiram que os países reduzissem a fome e também resultaram no uso inapropriado e excessivo de agrotóxicos, desperdício de água nos esquemas de irrigação, perda dos benefícios da biodiversidade, poluição do solo e da água, e significante redução da diversidade das lavouras.

O que são as NUS? E por que são importantes?

Espécies agrícolas que não estão entre as maiores culturas básicas geralmente são chamadas de “neglected and underutilized species” (NUS) – espécies negligenciadas e subutilizadas, em tradução livre -, também conhecidas como culturas “órfãs”.

O conceito de NUS remete a espécies de plantas úteis, mas que são marginalizadas ou completamente ignoradas pelos pesquisadores, produtores e políticos. Elas não são consideradas mercadorias e fazem parte de um grande e diverso grupo com milhares de espécies domesticadas, semi-domesticadas e selvagens. Elas podem se adaptar localmente como as espécies de florestas não madeireiras. A designação NUS também é fluída, como quando uma cultura é simultaneamente estabelecida em um país e negligenciada em outro. Em alguns países estatísticas e pesquisas não distinguem entre NUS e outras culturas.

NUS diferem de culturas básicas em formas fundamentais. Elas tendem a ser gerenciadas por sistemas tradicionais, usando fontes de sementes informais e envolvendo um forte elemento de gênero. O seu processo pode ser trabalhoso, gradual e com embalagens primitivas, além de serem produtos para mercados locais com limitações para o envolvimento de grandes empreendimentos. Sendo por muito tempo negligenciada pela agricultura convencional por razões de variedade agronômica, genética, econômica, social e cultura, hoje essas culturas estão recebendo constante reconhecimento por causa do seu potencial papel para atenuar os riscos do sistema de produção agrícola. Nos últimos 10 anos ou menos, um crescente número de projetos vem direcionando sua atenção para a importância das NUS em beneficiar a nutrição, gerar renda, manter a saúde dos ecossistemas e empoderar os pobres e marginalizados, assim como, promover a diversidade cultural.

Conclusão

Existe uma necessidade urgente de ampliar a cesta de alimentos pelo mundo apoiando o desenvolvimento de culturas tradicionais negligenciadas e marginalizadas a partir de pesquisas e políticas agrícolas.

Intervenções para apoiar as NUS são muitas e incluem:

O desenvolvimento de variedades melhores;

Melhorias nas práticas de cultivo;

Elevar o investimento em tecnologias;

Melhor acesso dos produtores aos mercados;

Validação e promoção dos benefícios à saúde;

Manutenção mais eficaz da diversidade genética e cultural nas fazendas;

Políticas de nível nacional e internacional que apoiem a conservação e o uso dessas culturas.

As NUS, como parte da cesta de alimentos da humanidade afiada através de milênios de experimentação agrícola e transmissão cultural de conhecimentos através das gerações, são uma riqueza que merece ser conservada cuidadosamente pelos muitos benefícios que traz para a população mundial. Através de ações internacionais, locais e nacionais, este recurso pode ser transmitido para as gerações futuras e usado para melhorar o bem-estar da humanidade.

Referências:

² Prescott-Allen and Prescott-Allen 1990

³ http://www.fao.org/biodiversity/components/plants/it/

 

Plantas Alimentícias Não Convencionais e Agroecologia – trabalhos apresentados no Congresso Brasileiro de Agroecologia 2017

Plantas Alimentícias Não Convencionais e Agroecologia – trabalhos apresentados no Congresso Brasileiro de Agroecologia 2017

Confira os assuntos dos trabalhos sobre Plantas Alimentícias Não Convencionais no anais do último Congresso Brasileiro de Agroecologia

Quer submeter trabalhos sobre Plantas Alimentícias Não Convencionais – PANC no próximo Congresso Brasileiro de Agroecologia – CBA e não sabe por onde começar? Eu te ajudo: dê uma espiadinha nos trabalhos compartilhados no último congresso em 2017!

Sim, este é o ano do próximo Congresso Brasileiro de Agroecologia! Será realizado entre os dias 4 e 7 de novembro em Sergipe. Aproveitando que o prazo de submissão de trabalhos está aberto até o dia 5 de julho, resolvi resgatar as contribuições nos painéis de discussão que ocorreram no último evento sobre as PANC, nos Anais disponibilizados pela Associação Brasileira de Agroecologia – ABA em agosto de 2018

O CBA anterior marcou o ano de 2017 em Brasília. Com uma programação integrada a outros dois grandes encontros (o VI Congresso Latino-americano de Agroecologia e o V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno), o CBA 2017 teve como tema “Agroecologia na Transformação dos Sistemas Agroalimentares na América Latina: Memórias, Saberes e Caminhos para o Bem Viver”. A Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-Agroecologia) e a Sociedad Latinoamericana de Agroecología (SOCLA) e uma imensa rede de parceiros realizados os eventos que pulsaram pelos eixos brasilienses.

Este ano, o tema do CBA é tão incrível quanto os anteriores! Ecologia de Saberes: Ciência, Cultura e Arte na Democratização dos Sistemas Agroalimentares é a temática que permeará todos os dias deste evento que é um momento de encontro que fortalece, consolida e avança as bandeiras de ancestralidades, soberania alimentar, educação popular, agrobiodiversidade, reforma agrária, feminismos e demais assuntos que permeiam a agroecologia.

Foram 10 trabalhos encontrados na busca pelo termo ‘não convencionais’ com diferentes abordagens entre si. Vamos a eles:

// TEMA GERADOR 4: Educação em Agroecologia

| Operação taioba: o uso de plantas alimentícias não convencionais (PANC) e da agricultura urbana na construção do senso agroecológico de escolares da rede pública de São Leopoldo, RS | link

// TEMA GERADOR 5: Construção do Conhecimento Agroecológico

| I Jornada sobre plantas alimentícias não convencionais do estado do Rio Janeiro: expressões da socialização de conhecimentos entre a academia e a sociedade | link

| Narrativa midiática e difusão sobre Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC): contribuições para avançar no debate | link

| Estudo sobre consumo de hortaliças não convencionais no município de São João del-Rei / MG: uma abordagem em busca de valores esquecidos. | link

// TEMA GERADOR 6: Campesinato e Soberania Alimentar

| Reconquista de sementes crioulas e plantas alimentícias não convencionais no assentamento Dênis Gonçalves, Zona da Mata Mineira | link

| Agricultura familiar como agente de desenvolvimento regional por meio do cultivo e comercialização de hortaliças não convencionais em Minas Gerais | link

// TEMA GERADOR 7: Conservação e Manejo da Sociobiodiversidade e Direitos dos Agricultores e Povos e Comunidades Tradicionais

Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Território do Sisal | link

| Horto didático da UTFPR Câmpus Pato Branco: unidade demonstrativa de plantas alimentícias não convencionais | link

// TEMA GERADOR 9: Manejo de Agroecossistemas e Agricultura Orgânica

Incidência de fitoplasmas em plantas alimentícias não convencionais no Brasil | link

// TEMA GERADOR 12: Estratégias Econômicas em Diálogo com a Agroecologia

| A importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCS) para a sustentabilidade dos sistemas de produção de base ecológica | link

É possível perceber como o termo Plantas Alimentícias Não Convencionais desperta distintas possibilidades de práticas em diferentes territórios. Ouso dizer que o termo poderia pleitear um tema gerador próprio, ou, no mínimo, que a questão de agrobiodiverisidade e disponibilidade alimentar – estratégias locais de abastecimento (quem sabe… estou pensando alto aqui…) poderia ganhar uma temática própria para que essa rede de pessoas, organizações, coletivos e instituições formadoras se encontrassem de uma forma mais coesa e não esparça a tal ponto que não conseguimos identificar quem são esses atores que participam ativamente da notoriedade do tema das PANC no cenário alimentar do país.

A defesa por uma temática nesse sentido dá-se não o número de trabalhos em si. Não obtive a tempo de escrever este texto o número total de trabalhos apresentados no CBA em Brasília, mas certamente, chegou a mil. Bem, mesmo com hipótese de que 1% dos trabalhos trouxe esse termo para seu relato científico, destaca-se as numerosas abordagens utilizadas com o recorte dessas plantas que já tem povoado as mentes inquietas da comunidade acadêmica ligada aos temas de agroecologia. 

Essa publicação tem o objetivo de conectar pessoas. Conectar que escreve com quem lê e visse e versa; Conectar diferentes locais que podem estar fazendo ações muito semelhantes e sentem-se isolados ou sozinhos nesse caminho de popularização das PANC. Conectar pesquisadores e pesquisadoras da área, independente se você é formado ou não, construção de saberes coletivos está no encontro, na partilha, na cooperação. Vamos aproveitar a próxima temática deste importante evento para pensar em como mostrar a importância das reflexões e práticas do cultivo ao consumo dessa biodiversidade alimentar que se apresenta pelo acrônimo desses alimentos.

Quem vamos escrever trabalhos para o próximo congresso? Os trabalhos com um (*) tem participação minha. Caso você se interesse pelo tema e for ler, comenta aqui o que achou do relato científico sobre as narrativas midiáticas das PANC no Brasil e o relato de experiência sobre a ‘Operação Taioba’ – projeto de educação alimentar e nutricional com PANC no município de São Leopoldo/RS.

Vamos nos encontrar em Sergipe, gente! Será lindo demais poder conhecer pessoas que, assim como eu, estão desbravando as possibilidades teóricas e práticas do trabalho com as PANC! 

 

Brasília receberá primeira edição do Slow Filme – Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura

Brasília receberá primeira edição do Slow Filme – Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura

O Slow Filme – Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura Local acontecerá pela primeira vez em Brasília, depois de realizar nove edições em Pirenópolis (GO). O evento relaciona cinema e gastronomia, inspirado nos conceitos do movimento Slow Food, reunindo na programação filmes sobre comida, workshops e degustações.

Mas para a 10ª edição acontecer do dia 1º a 4 de agosto no Cine Brasília com exibições de filmes e conversas; e, no Espaço Cultural 508 Sul com a realização de oficinas e workshops. A entrada é franca. Estão na programação 20 filmes inéditos e premiados, sessões inclusivas e infantis.

Para viabilizar o evento, a produtora Objeto Sim, que realiza o Slow Filme, abriu um conta de financiamento coletivo no site VakinhaQuem quiser colaborar tem até o dia 20 de julho. O valor arrecadado será utilizado na impressão de material gráfico e na legendagem, já que muitos dos filmes trazidos para o evento são inéditos no Brasil. Com curadora do crítico Sérgio Moriconi, o festival promete para a primeira edição brasiliense um total de 20 títulos, entre curtas, médias e longas-metragens, documentário e ficção.

A colaboração é mais do que justa, uma vez que o Slow Filme – único do Brasil em seu gênero — tem entrada franca em todas as atividades. O festival tem promovido a estreia no Brasil de filmes premiados em grandes festivais como Berlim, Nova York e San Sebastián. Na edição de 2017, por exemplo, exibiu o documentário argentino Todo sobre El Asado, de Gastón Duprat e Mariano Cohn, hoje disponível na Netflix.

Em 2018, um dos destaques foi o francês À Procura de Mulheres Chefs (foto no alto desta matéria), da francesa Vérane Frédiani, que rodou o mundo para mostrar o trabalho de chefs, sommeliers, ativistas e restauranteurs mulheres – entre elas, nomes como Dominique Crenn, Clare Smyth, Elena Arzak e Alice Waters.

FONTE:  GASTRONOMIX

 

Há outros caminhos? Parte 1 | Conheça as Hortaliças tradicionais

Há outros caminhos? Parte 1 | Conheça as Hortaliças tradicionais

Nuno Rodrigo Madeira e Neide Botrel

Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) são aquelas que possuem uma ou mais partes que podem ser usadas na alimentação, mas que não sejam corriqueiras, parte do dia a dia da grande maioria da população (Kinupp e Lorenzi, 2014). O termo PANC começou a ser difundido em 2008 e tem sido o mais aceito pela comunidade técnico-científica. Ele trouxe consigo grande visibilidade na mídia e perante a sociedade como um todo, proporcionando a valorização de espécies subutilizadas ou negligenciadas.

Em nosso trabalho na Embrapa Hortaliças, iniciado oficialmente em 2006, utilizamos por vezes o termo “Hortaliças Tradicionais”, por serem espécies cujas sementes ou mudas são mantidas pelos próprios agricultores, muitos deles agricultores tradicionais, e por trazerem consigo um forte apelo cultural associado, além de ser uma forma de valorização. Por representarmos a Embrapa Hortaliças, nos limitamos ao trabalho com hortaliças, mas dialogamos acerca das Panc como um grupo maior. Nos últimos anos, passamos também a usar o termo “Hortaliças Panc”, que inclui as hortaliças tradicionais e outras.

Esses termos trazem alguma controvérsia; uma planta que é considerada não convencional em uma região pode ser convencional em outra, a exemplo do açaí (Euterpe oleracea), do jambu (Spilanthes oleracea) e da chicória (Eryngium foetidum) na Região Norte, do cuxá ou vinagreira (Hibiscus sabdarifae) no Maranhão, da erva-mate no Sul (Ilex paraguariensis), do inhame (Colocasia esculenta) no Espírito Santo, entre outras.

Contudo, de forma geral, as PANC, são espécies de uso local ou regional (e não global ou nacional como as espécies convencionais), com distribuição limitada, cadeia produtiva inexistente ou mal estruturada, de pouco ou nenhum interesse para as empresas de insumos, de sementes ou fertilizantes por exemplo, por sua rusticidade e pouco estudadas na academia.

De forma geral, observa-se redução do consumo de alimentos regionais, seja no campo ou nas cidades, pela substituição da produção local por espécies de maior apelo comercial e cadeia produtiva estabelecida, isso em função de mudanças significativas no estilo de vida e no hábito alimentar dos brasileiros, com a perda da referência dos quintais e o crescente uso de alimentos industrializados, resultado da globalização e da verticalização das cidades, muitas vezes com perdas históricas de referências socioculturais.

A situação de desuso de muitas PANC acarreta em fragilidade com relação ao risco de perda desses materiais. De acordo com a FAO (2004), o ser humano afunilou sua alimentação de mais de dez mil diferentes espécies vegetais para cerca de 150 espécies sendo cultivadas atualmente, sendo que 12 representam 80% de nossas necessidades alimentares e apenas quatro espécies (arroz, trigo, milho e batata) mais da metade de nossas necessidades.

Ainda assim, muitas PANC resistem no Brasil e são de suma importância na expressão da cultura de determinadas populações. Alguns exemplos, dentre as hortaliças, são ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata) em algumas regiões de Minas Gerais e Goiás, sempre presente na gastronomia no circuito das cidades históricas; vinagreira no Maranhão, base do prato mais significativo da culinária local – o arroz de cuxá; jambu no Norte do Brasil, ingrediente essencial para o tacacá e o pato no tucupi; e gila (Cucurbita ficifolia) na Serra Gaúcha, onde é tema de um festival em Bom Jesus; entre outros (Brasil, 2015). Isso em se tratando de hortaliças, nosso universo de trabalho, mas o que dizer das frutas como o cupuaçu e o açaí na Amazônia, o pequi e o baru no Cerrado, o umbu no Semiárido, a jabuticaba no Sudeste, a goiaba-serrana e o butiá no Sul, entre outras tantas Frutas PANC.

Buscando ampliar a diversidade alimentar, nosso trabalho na Embrapa Hortaliças apresenta três propósitos básicos: a conservação de germoplasma, patrimônio de valor incalculável; o enriquecimento da dieta alimentar local com a diversificação da produção nos sítios ou nos quintais; e a oportunidade de renda para os agricultores familiares com o cultivo de hortaliças tradicionais e seus subprodutos (Madeira et al., 2013). A conservação, no nosso entender, só será plena e até mesmo segura e viável se for pelo uso, pois aquilo que se usa com frequência terá sua conservação assegurada. No caso de algumas espécies em desuso como o mangarito (Xanthosoma riedelianum), o jacatupé (Pachyrrhizus tuberosus) e a araruta (Maranta arundinacea), trata-se de um verdadeiro resgate de plantas que chegaram próximo à extinção, se não botânica por sua rusticidade, no mínimo à extinção alimentar. Assim, as ações que realizamos junto aos parceiros da extensão rural, de outros órgãos de pesquisa e organizações de produtores, são bancos comunitários locais (Brasil, 2013b), eventos (dias de campo, oficinas culinárias e agronômicas, palestras) e disponibilização de publicações (cartilhas, livros, artigos científicos).

Aspecto fundamental é que, em essência, o cultivo das PANC vem sendo historicamente feito por agricultores familiares e sob manejo de base agroecológica. Muitos plantios estão estabelecidos em pequenos quintais no meio rural ou urbano, para o consumo da própria família, sem nenhum apelo comercial. Algumas espécies, no entanto, já apresentam significativa inserção de mercado, como o inhame (Colocasia esculenta) ou o cará, conhecido no Nordeste por inhame (Dioscorea spp.), sendo frequentemente encontrados em feiras e supermercados. Outras, no entanto, apresentam potencial comercial sub-explorado, inclusive de exportação, a exemplo da fécula (polvilho) de araruta ou de substituição de importações, a exemplo da fisális ou camapu (Physalis spp.) e do chá de hibisco, extraído da vinagreira.

Outro aspecto interessante é que grande parte das PANC é nativa do Brasil e as que não são botanicamente de origem brasileira, são tão adaptadas que muitos as consideram nativas, a exemplo de vinagreira, gila e inhame, sendo na verdade ditas “naturalizadas”, introduzidas durante o processo histórico de formação do Brasil. Portanto, muitas Panc são plantas espontâneas ou silvestres, por vezes até consideradas “daninhas” ou “matos”, como serralha (Sonchus oleracea), beldroega (Portulaca oleracea) e major-gomes ou cariru (Talinum spp.). 

É interessante ressaltar que muitas das PANC apresentam efeito funcional nutracêutico, a exemplo do cará ou inhame-cará, reconhecido depurativo de sangue, ou ainda o ora-pro-nóbis, conhecido como a “carne vegetal” por seus elevados teores de proteínas (até 32% na matéria seca) e minerais, notadamente cálcio e ferro. No entanto, sempre ressaltando que não será um ou outro super alimento que trará a resposta em nutrição e saúde mas sim uma super alimentação diversificada e de qualidade.

Por sua facilidade de cultivo, adaptabilidade, rusticidade, além do potencial ornamental, muitas Panc tem sido utilizadas em agricultura urbana e periurbana e na promoção da produção local de alimentos.

Finalmente, todas as ações que vem ocorrendo relacionados a PANC trazem uma forte valorização do conhecimento do agricultor tradicional, de base familiar, resgatando sua sabedoria, dignidade e importância na produção de alimento seguro, mostrando que a produção local de alimentos deve usar prioritariamente plantas adaptadas e de alta rusticidade e resiliência, disponibilizando muito mais alternativas e contribuindo verdadeiramente para a segurança e, principalmente, para a soberania alimentar e nutricional, pelo incremento da diversidade e riqueza da dieta alimentar e o fomento aos bons hábitos alimentares. O fomento das PANC abrange aspectos culturais, econômicos e sociais, promovendo espécies nutricionalmente interessantes, muito facilmente adaptadas, praticamente orgânicas, e com alta capacidade de mitigação dos impactos negativos causados pelos efeitos das mudanças climáticas, ressaltando sua interface com os diálogos referentes à agricultura de base ecológica e à agricultura urbana.

Bibliografia Consultada

BRASIL. 2015. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentos regionais brasileiros. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. – 2ª ed. – Brasília, Ministério da Saúde. 484 p.

KINUPP, V.F.; LORENZI, H. 2014. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas.

MADEIRA, N.R.; SILVA, P.C.; BOTREL, N.; MENDONÇA, J.L.de; SILVEIRA, G.S.R.; PEDROSA, M.W. 2013. Manual de produção de Hortaliças Tradicionais. Brasília, DF: Embrapa. 155 p.

Nuno Madeira | nuno.madeira@embrapa.br

Engenheiro agrônomo. Pesquisador Embrapa Hortaliças

Neide Botrel | neide.botrel@embrapa.br

Engenheira agrônoma. Pesquisadora Embrapa Hortaliças